Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Laurence Griffiths/ Reuters
Laurence Griffiths/ Reuters

Antes de decisão da Euro, Chiellini alfineta Inglaterra: 'Disputaram seis jogos em casa'

Jogo das quartas de final contra a Ucrânia foi única partida em que ingleses atuaram longe de Londres ao longo da competição

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2021 | 21h59

Todos os holofotes do mundo do futebol estarão apontados para o estádio de Wembley, neste domingo, a partir das 16h. Itália e Inglaterra decidem a Eurocopa. De um lado, uma das seleções que mais fez gols na competição (12), do outro, a equipe menos vazada - somente um tento sofrido. Mas, para o zagueiro da seleção italiana, Giorgio Chiellini, independentemente das estatísticas, um dos times já tinha vaga previsível na final.

"A Inglaterra tem qualidade técnica e poder físico. São sólidos e organizados. Podem não jogar um futebol agradável, mas são difíceis de vencer. Eles chegaram às semifinais da Copa do Mundo. Além disso, era previsível que a Inglaterra chegasse à final da Eurocopa, já que eles disputam seis dos sete jogos em casa.", alfinetou o experiente jogador em entrevista à emissora italiana RAI.

Aos 37 anos, com quatro Eurocopas e duas Copas do Mundo na bagagem, além de grandes jogos do Campeonato Italiano e Liga dos Campeões pela Juventus, o zagueiro italiano tem experiência em enfrentar grandes centroavantes. Neste domingo, a missão será enfrentar Harry Kane, um dos atacantes mais disputados nesta janela de transferências.

Autor de quatro gols até aqui na competição europeia, o jogador do Tottenham quer buscar a artilharia, que está em posse do português Cristiano Ronaldo e do checo Patrik Schick, que balançaram as redes cinco vezes. Para isso, Kane terá de superar Chiellini, que tratou de elogiar o rival e seus companheiros de seleção inglesa.

"Kane é um jogador que sempre gostei muito. Lembro-me de um dos seus primeiros jogos internacionais, imediatamente me causou boa impressão. Jogamos contra ele no Tottenham, então o conheço bem. Mas a Inglaterra não é apenas Kane, pois também tem jogadores excepcionais atacando pelas laterais", explicou.

Para a Itália, conquistar a Eurocopa será um sinal de ressurgimento, depois da grande frustração pela ausência na última edição da Copa do Mundo. Já a Inglaterra quer encerrar um longo jejum de títulos, dado que jamais venceu a Eurocopa e seu último troféu conquistado foi justamente em casa na Copa de 1966.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.