Antes de encarar 'missão impossível', Wenger nega atrito com Sánchez no Arsenal

Arsenal precisa de uma vitória por 4 a 0 para avançar às quartas de final da Liga dos Campeões

Estadao Conteudo

06 de março de 2017 | 21h42

Um dia antes de tentar fazer o Arsenal buscar uma "missão impossível" diante do Bayern de Munique no jogo de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões, o técnico Arsène Wenger negou nesta segunda-feira, em entrevista coletiva, que tenha barrado Alexis Sánchez do jogo do último sábado, contra o Liverpool, pelo Campeonato Inglês, por causa de um suposto ato de indisciplina cometido pelo atacante chileno na semana passada.

O jornal inglês Telegraph noticiou no último domingo que o jogador foi descartado da equipe titular que foi derrotada no clássico, por 3 a 1, em razão de uma briga com o treinador. Nesta segunda, porém, o comandante qualificou estas informações como "totalmente falsas" e descreveu Sánchez como um "jogador comprometido" com o clube.

O atacante e o técnico se cumprimentaram durante o treino desta segunda depois de outros diários ingleses e a própria rede BBC terem noticiado no domingo que o chileno abandonou um treinamento na semana passada e havia tido uma forte discussão com seus companheiros de equipe.

Goleado por 5 a 1 pelo Bayern de Munique no duelo de ida das oitavas de final, o Arsenal precisa de uma vitória por 4 a 0 para eliminar o time alemão no confronto que começa às 16h45 (de Brasília) desta terça-feira, no Emirates Stadium, em Londres.

Ainda com 15 meses de contrato a cumprir pelo Arsenal, Sánchez tem tido a sua possível transferência ao Paris Saint-Germain especulada pela imprensa europeia. Wenger, porém, se esquivou ao ser questionado se o ex-jogador do Barcelona poderia deixar o clube na próxima temporada. "A decisão sobre se permanecerá aqui na temporada que vem dependerá do Arsenal e de mais ninguém", ressaltou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolArsenalLiga dos Campeões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.