Antes de jogo decisivo, Moyes se diz 'seguro' no United

Depois de amargar uma derrota em casa por 3 a 0 para o Liverpool, no último domingo, e estacionar nos 48 pontos na decepcionante sétima posição do Campeonato Inglês, o Manchester United voltará a jogar no Old Trafford nesta quarta-feira, onde tentará reverter a vantagem de 2 a 0 conquistada pelo Olympiakos no jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões. E, mais do que nunca, a posição de David Moyes como técnico do time inglês estará em xeque no duelo em que a equipe tentará seguir viva na competição cuja conquista que se tornou o seu único maior objetivo palpável nesta temporada do futebol europeu.

AE-AP, Agência Estado

18 de março de 2014 | 12h45

Apesar de todo contexto desfavorável que encara atualmente, o treinador garantiu nesta terça-feira, em entrevista coletiva, que segue com respaldo da direção para continuar à frente do Manchester. Ele assegura que hoje não há discussão interna a respeito de sua continuidade ou não no cargo ao enfatizar que "este não é um clube que trabalha com uma visão de curto prazo, mas sim apenas de longo prazo". "Por isso tenho um contrato de seis temporadas", ressaltou.

Moyes disse que a diretoria do Manchester lhe garantiu total apoio para prosseguir "com os grandes planos que tem para os próximos anos", assim como aposta que poderá fazer a equipe reeditar os grandes dias que viveu sob o comando de Alex Ferguson, que fez história ao ficar incríveis 27 anos como técnico do time e colecionar inúmeros títulos.

"Tenho um grande trabalho pela frente. Sei exatamente até onde quero ir. Agora o importante é o jogo contra o Olympiakos", afirmou o escocês, que ao mesmo tempo admitiu que essa temporada tem sido bem pior do que ele esperava e reconheceu que reverter uma vantagem de 2 a 0 "não é algo que aconteceu muito" na história do mata-mata da Liga dos Campeões. "Mas é algo que temos de fazer que ocorra", projetou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.