Toru Yamanaka/ AFP
Toru Yamanaka/ AFP

Próximo de enfrentar River, Messi revela que quase jogou no clube

Time de Buenos Aires esteve perto de furar negócio do Barcelona

Estadão Conteúdo

14 de dezembro de 2015 | 19h13

Muito antes de se firmar como um dos melhores jogadores da história do futebol, o argentino Lionel Messi teve dificuldade para se estabelecer em seu país. Baixinho e fraco, o garoto precisava de um tratamento médico que o Newell's Old Boys, onde ele atuava na base, não quis bancar. O Barcelona, encantado com a habilidade do garoto de 13 anos, levou-o para a Espanha, arcou com os gastos, e o resto virou história.

O que quase ninguém sabia, pelo menos até esta segunda-feira, é que Messi esteve perto de acertar sua ida para o River Plate antes de ir para a Catalunha, como ele mesmo revelou em entrevista ao site da Fifa. "Aconteceu, mas já há muito tempo. No fim, não fechamos, mas é verdade que a oportunidade apareceu quando eu era muito jovem", admitiu.

Quis o destino que Messi e o River tivessem a possibilidade se encontrar em 2015. Com o Barcelona campeão da Liga dos Campeões e os argentinos vencedores da Libertadores, eles são os grandes favoritos para a decisão do Mundial de Clubes, que está acontecendo no Japão. Se isso acontecer, o astro espera uma decisão bastante difícil, como a de 2009, diante do Estudiantes, na única vez que enfrentou um clube argentino em sua carreira profissional.

"É um sentimento estranho. Em minha carreira, só joguei contra um time argentino, que foi o Estudiantes naquela final. Foi um jogo muito difícil, no qual estivemos perdendo no tempo normal e empatamos nos acréscimos, antes de vencermos na prorrogação. Mas é algo que me motiva, porque o River é um grande clube de nível mundial. Acho que se pegarmos eles, será uma boa partida", opinou. 

Aquela final contra o Estudiantes marcou a primeira conquista do Mundial de Clubes de Messi, mas a segunda viria apenas dois anos mais tarde, com a goleada por 4 a 0 sobre o Santos na final. Naquele ano, o argentino enfrentaria um Neymar ainda bastante jovem, que já despontava como grande promessa do futebol mundial. Hoje, os dois atuam juntos e apavoram as defesas de todo o mundo.

"Muito tempo se passou desde então (2011) e nós testemunhamos seu incrível crescimento, tanto como jogador quanto como pessoa. Naquela época, já era um grande jogador, e agora é ainda mais, muito mais completou. Honestamente, é um prazer e privilégio ter o Neymar do nosso lado", elogiou Messi.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.