Antes do jogo 200, Gum diz que Flu passa por transição

Com a experiência de quem está no Fluminense desde 2009, Gum já passou por grandes momentos no clube, como a conquista de dois títulos do Campeonato Brasileiro, mas também por fases complicadas, como a luta contra o rebaixamento no seu primeiro ano na equipe. Por isso, ele tem condições de fazer uma análise do momento atual e avaliou que o time passa por uma fase de transição, com a saída de Abel Braga e a chegada do técnico Vanderlei Luxemburgo.

AE, Agência Estado

28 de agosto de 2013 | 10h38

"Nós estamos em um momento de transição do trabalho, de troca de treinador. Estamos buscando evoluir e já temos, por exemplo, a Copa do Brasil para nos dedicarmos. Estou indo para o meu quinto ano de clube e só penso em continuar conquistando mais títulos importantes, títulos nacionais", disse.

Nesta quinta-feira, quando o Fluminense vai enfrentar o Goiás, no Serra Dourada, no duelo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil, Gum vai completar 200 jogos pelo clube. E ele apontou os títulos de 2010 e 2012 do Campeonato Brasileiro como os momentos mais especiais.

"As conquistas pra mim foram especiais. Em 2010 fomos muito bem, mostrando que a crescente do ano anterior não foi pura sorte. Em 2012, eu fiquei muito feliz por estar bem, por poder ajudar a equipe a conquistar o Brasileiro novamente, um campeonato muito difícil. Eu consegui manter uma sequência boa. Em alguns jogos pude contribuir muito bem e fui reconhecido por isso. Os dois títulos estão gravados na história do clube e a minha participação também", disse.

Se o Fluminense está em vantagem na Copa do Brasil por ter vencido o primeiro jogo por 1 a 0, a situação no Campeonato Brasileiro é bem pior, pois a equipe ocupa apenas a 15ª colocação, com 18 pontos. Mas Gum garantiu que a defesa não é a principal responsável pelo momento difícil do time.

"A função do zagueiro, em grande parte, é tentar concertar o que acontece de errado. Sempre que o time não está bem, a culpada, na maioria das vezes, é a defesa. Jogamos o jogo inteiro para não termos um erro que seja. Às vezes o time não está compacto e a defesa acaba sofrendo um pouco mais. Nós temos aqui zagueiros de qualidade e já mostramos isso. Estamos trabalhando para isso, para continuar ajudando e voltarmos a alcançar o nível de defesa menos vazada", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFluminenseGum

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.