Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Antes hostilizado pela torcida, Wesley curte o ‘recomeço’ no Palmeiras

Volante que marcou seu primeiro gol pelo clube quer manter a boa fase, esquecer 2012 e levar o time de volta à Série A

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

18 de julho de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - Por muito tempo, Wesley teve que ouvir xingamentos como "fominha", "bichado" e "enganação", só para citar os mais leves. O tempo passou e hoje ele aparece como um dos responsáveis pelo Palmeiras entrar nos eixos. Depois de marcar seu primeiro gol com a camisa alviverde na última sexta-feira, contra o ABC, o volante só quer trabalhar para manter a boa fase e esquecer tudo de ruim que passou desde sua chegada ao clube, em março de 2012.

Além da frustrada "vaquinha" feita pela diretoria para tentar contratá-lo quando estava no Werder Bremen, outro problema que o atrapalhou foi uma grave lesão no joelho direito em seu quarto jogo. Durante a recuperação, alguns dramas particulares fizeram seu sofrimento ser maior e deixam o atual momento com um sabor ainda melhor. Seu padrasto, Irineu Perpétuo Beltrame, foi assassinado por policiais após fugir de uma blitz. Ele era usuário de drogas. Pouco depois, a esposa do jogador perdeu o bebê logo no início de gestação, o que também o abalou muito.

O tempo passou, a família se recuperou da morte de Irineu e o pequeno Lian veio ao mundo, cheio de saúde e sendo motivo de orgulho para o volante, que dedicou o gol marcado contra o ABC ao filho. Dentro de campo, Wesley parece outro jogador. O "fominha" se tornou um jogador participativo, que joga para o time e dá qualidade no toque de bola. Mudou da água para o vinho. Segundo ele, o fato de voltar a atuar como segundo volante fez toda a diferença.

"Fico feliz em ajudar a equipe e jogando na posição em que mais gosto. Que continue assim", projetou o volante, que cansou de pedir para Kleina ser colocado em sua posição, mas o treinador, por necessidade, insistia em colocá-lo como meia. "Precisava dele fazendo um sacrifício para o time. Ele teve paciência e agradeço muito pelo esforço que fez. É um jogador que pensa no time", explicou.

Elenco esvaziando. Aos poucos, a extensa lista de jogadores que fazem parte do elenco do Palmeiras diminui. O meia Patrik está em Recife para assinar contrato com o Sport, enquanto a Ponte Preta fez uma proposta para conseguir o empréstimo de três jogadores: o zagueiro Luiz Gustavo, o meia Tiago Real e o atacante Maikon Leite. O Palmeiras prometeu responder até amanhã. O clube está disposto a emprestá-los, mas precisa convencê-los a aceitar a proposta. O salário seria dividido entre os clubes em valores que ainda estão pendentes e devem ser sacramentados caso o trio aceite jogar em Campinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.