Antiga parceria atrapalha Palmeiras

Quem diria que, ainda hoje, o Palmeiras se depararia com seqüelas da parceria que manteve com a Parmalat. Pouco mais de um ano após o anúncio oficial do encerramento do acordo entre o clube e a multinacional italiana de alimentos, o "fantasma" da empresa ainda ronda o Palestra Itália. E num momento como o atual - tradicional período de contratações - é que esse fenômeno fica mais evidente. Daquela época, o alviverde carrega o estigma de endinheirado, fama que tem prejudicado o andamento das negociações.A equipe está, desde sábado, em Águas de Lindóia, cidade no interior do Estado escolhida para a pré-temporada. Embora o trabalho de preparação já tenha começado, o grupo de jogadores não está fechado. Diretores palmeirenses alegam que os dirigentes de outros clubes, se perceberem o interesse alviverde em algum atleta, elevam o preço da transferência. "Essa fama daquela época (da Parmalat) ainda nos prejudica muito nas conversações", afirmou o diretor de Futebol Sebastião Lapola.O cartola não revela, mas existe uma tática, adotada pela maioria dos grandes clubes do País, utilizada para constatar esse tipo de "inflação" do mercado. Muitas vezes, o primeiro contato é feito sem a identificação do clube interessado. Quando o valor é considerado interessante, o contato oficial é realizado. "O preço sempre fica mais caro", afirmou Lapola.

Agencia Estado,

06 de janeiro de 2002 | 19h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.