Antônio Carlos marca presença na Vila

Antônio Carlos não é titular absoluto no Santos, mas Vanderlei Luxemburgo o considera um dos jogadores mais importantes do grupo que está a um passo do título brasileiro. Segundo o treinador, a presença e a experiência dele são suficientes para tranqüilizar a molecada. ?Ele é um cara fenomenal, um dos melhores zagueiros que já vi jogar. Contar com ele no grupo me ajuda demais?, elogiou Luxemburgo.O ?xerifão? também sabe de sua importância para o Santos. Apesar de ter ficado afastado por quase três meses em razão de uma cirurgia para a retirada de um cisto na virilha esquerda, ele fez questão de acompanhar o time em todas as viagens. ?Cada um me chama de um jeito: vô, pai, tio... Ajudei muito este grupo durante a temporada. E eles retribuíram todo esse apoio durante o período em que fiquei afastado. Sempre me ligavam, perguntavam como eu estava. Colaborei da melhor maneira possível?, contou Antônio Carlos.O respeito do jogador pelo clube também é imenso. Logo depois que soube que precisaria passar por uma cirurgia e seria obrigado a ficar três meses parado, só tratando da lesão, Antônio Carlos ficou preocupado. E adotou uma postura que poucos jogadores seriam capazes de assumir. ?Liguei para o presidente (Marcelo Teixeira) e falei que precisava conversar com ele. No dia seguinte, fui até ele e exigi que o Santos não me pagasse enquanto eu não voltasse a treinar. Fiz isso por respeito ao Santos e por meu pai (já falecido) ter sido santista?, revelou o zagueiro, emocionado.Ao tomar essa decisão, Antônio Carlos queria poupar Marcelo Teixeira de críticas. As mesmas críticas que ouviu quando decidiu contratar o zagueiro, de 35 anos. ?Muitos falavam que o Santos deveria continuar apostando na molecada, já que foi assim que o time foi campeão em 2002. E o Marcelo foi o único que acreditou em mim.?Surpresa - Apesar de ser o mais experiente do elenco, ele se disse assustado com a maturidade dos jogadores que encontrou no Santos. ?Fiquei surpreso de ver como um grupo tão jovem pode ser tão experiente. Talvez se fossem outros jogadores, com outro comando, as coisas seriam diferentes. O Leonardo é o melhor exemplo. Tem só 18 anos e uma personalidade incrível. E logo no seu primeiro ano de profissional está tão perto de conquistar um título nacional.?Antônio Carlos, porém, nem pensa em encerrar a carreira. Ele já faz planos para permanecer no Santos em 2005 e, desta vez, não contribuir apenas do lado de fora do campo. ?Ainda estou sem condições de jogo. Faço um treino mais devagar. Mas espero poder continuar aqui ano que vem. Na pré-temporada, já quero estar no mesmo nível dos outros jogadores?, avisou o zagueiro de 35 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.