Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Antony minimiza baixo número de jogos contra europeus em preparação da seleção

Atacante do Ajax afirma que time comandado por Tite tem condições de enfrentar qualquer combinado da Europa

Redação, Estadão Conteúdo

22 de março de 2022 | 16h08

Candidato à vaga de titular pela primeira vez com a camisa da seleção brasileira principal, o atacante Antony valorizou a força do Brasil pela campanha nas Eliminatórias e pela quantidade de bons jogadores. O atleta do Ajax afirmou que o Brasil é capaz de enfrentar qualquer seleção da Europa, após ser questionado sobre o caminho do time até a Copa do Mundo sem enfrentar rivais do continente europeu.

"Sabemos da grandeza da nossa equipe, a gente joga sim contra qualquer seleção. Os próprios europeus falam que o nosso time é o melhor do mundo, um país muito respeitado e com grandes jogadores. Essa ideia de que a seleção brasileira pode enfrentar qualquer um não vem de mim, isso vem dos próprios jogadores que frequentam a Europa", disse Antony

Após brilhar marcando o gol da vitória por 3 a 2 do Ajax sobre o rival Feyenoord no último fim de semana, Antony poderá ganhar uma oportunidade especial na seleção brasileira. Após o corte de Raphinha, que testou positivo para covid-19, o jogador do Ajax é o principal candidato a ser titular na ponta direita da seleção no jogo contra o Chile, nesta quinta, no Maracanã.

"Vai ser um jogo muito duro. Eles vêm com o espírito e a vontade lá em cima e a gente também. Temos que estar 100% focados em vencer, independente do momento. São grandes jogadores, os que estão aqui e os que não vieram desta vez. Fico feliz de estar podendo viver um bom momento e vou continuar fazendo a minha parte para estar na Copa do Mundo. São muito jogadores, tem bastantes atletas que também estão em boa fase", comentou o atacante, que tem dois gols em sete jogos sob o comando de Tite.

Antony ainda se colocou à disposição para atuar em outros setores do campo além da ponta direita. O atleta de 22 anos valorizou suas características de drible e finalização na briga por uma vaga entre os convocados para o Mundial do Catar.

"Vai ser uma opção do Tite, se eu tiver a oportunidade vou estar preparado e, se não for, vou seguir dando meu melhor. Não só estreei como ponta direita, como também já joguei pelo meio e pela esquerda. Sempre gostei muito do drible, desde pequeno. Faz parte de mim, eu gosto muito e tenho colocado em prática", completou o atleta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.