Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Ao lado de Cafu, Bolsonaro acompanha o jogo do Brasil no Mineirão

Paulo Guedes, ministro da economia, também estava ao lado do presidente no Mineirão

Almir Leite, enviado especial a Belo Horizonte, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2019 | 22h32
Atualizado 03 de julho de 2019 | 13h17

O presidente Jair Bolsonaro acompanhou nesta terça-feira, no Mineirão, o clássico entre Brasil e Argentina, pela semifinal da Copa América. Vibrou bastante, entrou no clima da torcida e foi ovacionado pelo público no intervalo, quando desceu ao campo para saudar quem estava no estádio. Levou também algumas vaias, logo abafadas pelos apoiadores.

Bolsonaro chegou ao Mineirão às 20h39, acompanhado por grande comitiva e forte esquema de segurança. Dirigiu-se rapidamente para o camarote e lá encontrou Neymar, que já estava com sua comitiva no estádio. 

O presidente teve a companhia de vários integrantes do governo, entre eles a do general Augusto Heleno, chefe do gabinete de Segurança Institucional e que esteve quase sempre ao seu lado, e do ministro da Economia, Paulo Guedes. 

No camarote, depois de tirar algumas fotos com o presidente da CBF, Rogério Caboclo, o da Conmebol, Alejandro Dominguez, e o ex-jogador Cafu, Bolsonaro foi para a parte aberta da tribuna para saudar os torcedores e ser visto. Por quase cinco minutos, foi bastante aplaudido e chamado de “mito”. Ele retribuiu com acenos.

Em seguida, sentou-se para assistir à partida, com Cafu do seu lado esquerdo e Paulo Guedes, Ministro da Economia , do direito. O camarote em que o presidente ficou era atrás do banco da Argentina.

Mas foi no intervalo que Bolsonaro viveu seu grande momento no Mineirão. Ao percorrer parte da lateral do campo, ele foi ovacionado até por torcedores que estavam com a camisa da seleção argentina. Retribuiu acenando com as duas mãos, com sinal de positivo e imitando com as mãos uma arma. Em algumas tomadas, chegou a reverenciar a torcida.

Empolgado, o presidente da República, que se sente à vontade nos estádios de futebol, chegou a pegar uma bandeira do Brasil e passou a girá-la no ar. Por duas vezes subiu as escadas que dão acesso do campo às numeradas para apertar a mão de torcedores, causando certa apreensão em seus seguranças.

Foi o segundo jogo da seleção nesta Copa América assistido por Bolsonaro. Ele esteve nos 3 a 0 sobre a Bolívia, partida que inaugurou a competição.

Ainda não há confirmação se o presidente irá ao Maracanã domingo, para a final. 

Bolsonaro chegou ao estádio cinco minutos depois de Neymar, que foi ao jogo acompanhado de sua comitiva. Entre seus “parças” estava Gabriel Medina. O atacante, que vestia um casaco amarelo, assistiu ao jogo no camarote da CBF e posou para fotos com o presidente - em uma delas, ambos seguravam a camisa branca que seleção usou na vitória sobre a Bolívia, homenagem ao título sul-americano de 1919.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.