REUTERS/Mohamed Abd El Ghany
REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

Ao menos oito torcedores morrem em tumulto antes de Camarões x Comores pela Copa Africana

Dezenas de pessoas ficam feridas na entrada do estádio Olembe, em Yaoundé, antes de partida válida pelas oitavas de final do torneio

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2022 | 21h08
Atualizado 25 de janeiro de 2022 | 08h22

Era para ser apenas mais um dia de festa por mais uma vitória e a ida de Camarões às quartas de final da Copa Africana das Nações. Mas o entusiasmo do povo camaronês por ver seus ídolos em campo acabou se tornando uma tragédia de grandes proporções antes de a bola rolar. Uma multidão se aglomerou na porta do estádio Olembe, em Yaoundé, para tentar acompanhar a partida com Comores e muitos acabaram pisoteados, com autoridades registrando ao menos oito mortos e dezenas de feridos.

Apesar de o estádio ter capacidade para 60 mil pessoas, as restrições por causa da pandemia de covid-19 recomendam apenas 80% de sua capacidade. Mais de 50 mil estavam do lado de fora e, com a abertura dos portões, acabaram "passando por cima" de quem estava na frente. Muita gente acabou sendo pisoteada e esmagada.

Naseri Paul Biya, governador da região central de Camarões, reconheceu ao menos seis mortes, mas mostrou tristeza e reconheceu que o número de óbitos poderia aumentar. "Não estamos em posição de dar o número total de vítimas", lamentou, bastante abalado com a tragédia.

Nesta terça-feira, 25, o número de óbitos subiu para oito após atualização das autoridades locais que encontraram mais duas vítimas fatais do lado de fora do hospital Messassi. Os funcionários admitiram não ter estrutura para atender a todos.

"Alguns dos feridos estão em estado desesperador", disse Olinga Prudence, enfermeira do hospital. "Teremos que evacuá-los para um hospital especializado."

Pelo menos 38 pessoas ficaram machucadas,  sete em estado grave. As 31 pessoas restantes tiveram ferimentos leves a moderados. Todos os envolvidos no acidente estão sendo tratados em quatro hospitais diferentes.

Testemunhas revelaram ter crianças entre as vítimas do tumulto e que a tragédia aconteceu quando os comissários do estádio fecharam os portões e impediram a entrada de pessoas.

A Confederação Africana de Futebol, que organiza a competição, revelou estar investigando as causas do incidente. "A CAF está investigando a situação e tentando obter mais detalhes sobre o que aconteceu”, disse, em comunicado. "Estamos em constante comunicação com o governo de Camarões e o Comitê Organizador Local."  Um dos principais dirigentes da federação, o secretário-geral Veron Mosengo-Omba foi visitar os torcedores feridos no hospital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.