Divulgação/Athletic Club MG
Divulgação/Athletic Club MG

Aos 44 anos, Loco Abreu chega a Minas Gerais para defender o 30º clube da carreira

Experiente atacante vestirá a camisa do Athletic Club, que volta a elite do futebol mineiro após 51 anos

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2021 | 11h54

Loco Abreu está de casa nova. A notícia pode parecer repetida, mas fato é que o atacante uruguaio de fato assinou mais um contrato. Aos 44 anos, o experiente jogador jogará pelo Athletic Club, de Minas Gerais, estendendo assim sua marca para 30 equipes defendidas em sua longa carreira.

Abreu chegou a Minas Gerais na noite desta segunda-feira, e nesta terça realiza exames médicos para assinar oficialmente com o mais novo time. Fundado em 1909, o Athletic Club disputará a elite do Campeonato Mineiro pela primeira vez neste ano desde 1970. Seu primeiro compromisso é com o Patrocinense, dia 28 deste mês, fora de casa, duelo o qual pode marcar a estreia do uruguaio pela equipe.

Com passagens no Brasil por Botafogo, Grêmio, Figueirense, Bangu e Rio Branco (ES), Loco Abreu disputará seu primeiro campeonato em Minas. Seu último clube foi o Boston River, do Uruguai, aonde dividiu as funções de atacante de também de técnico. Acabou deixando a equipe em novembro do ano passado.

Loco Abreu já está na casa dos 40 anos, marca dificilmente alcançada por um jogador de futebol profissional. Sua estreia nos gramados foi pelo Nacional, do Uruguai, clube o qual defendeu de 1994 a 1996. Então, já como profissional foi para o Defensor e assim seguiu. Em 2017, quando assinou com o Audax Italiano, do Chile, entrou para o Guinness como jogador que mais times defendeu: 26 no total.

"Como me sinto fisicamente? Deixem a bola rolar e verão", disse Loco Abreu em seu desembarque, realizado no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte. "O comprometimento e a dedicação está aí. Se estou em campo, é porque tenho condições."

Entidade maior do futebol sul-americano, a Conmebol exaltou o feito do jogador uruguaio, dizendo que Abreu definitivamente por voltar a romper seu próprio recorde. Ele defendeu a seleção uruguaia em duas Copas do Mundo, além de participar da conquista da Copa América de 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.