Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Aos 70 anos, Parreira sonha com título sobre a Espanha

Coordenador tecnico da seleção brasileira deseja final contra a atual campeã mundial na Copa das Confederações

AE, Agência Estado

27 de fevereiro de 2013 | 11h44

SÃO PAULO - Coordenador técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira completa 70 anos nesta quarta-feira sabendo dos desafios que tem à frente do cargo, assumido no final de 2012. Com a experiência de quem participou da conquista de dois títulos da Copa do Mundo pelo Brasil, em 1970, como preparador físico, e em 1994, como técnico, ele revelou o desejo de que a equipe vença a Copa das Confederações, em junho, diante da Espanha, para disputar o Mundial no ano seguinte com a moral elevada.

"Vamos torcer para nós irmos bem na Copa das Confederações e fazer uma final com a Espanha. Seria uma coisa maravilhosa a gente ganhar da Espanha em casa, ganhar a Copa das Confederações e chegar com moral em 2014", afirmou Parreira, que também dirigiu a seleção brasileira na Copa do Mundo de 2006.

O coordenador técnico reconheceu que os desafios da seleção brasileira para voltar a ser campeã mundial são enormes. "A pressão é maior, a responsabilidade é maior, as dificuldades são enormes porque nós não disputamos as Eliminatórias, temos um time jovem", comentou, em entrevista ao site oficial da CBF.

Ao fazer um balanço da sua vida no futebol, Parreira apontou a seleção campeã mundial em 1958 como o a melhor que já viu. "A melhor seleção que vi jogar em todos os tempos foi a de 1958. Um time que tem Pelé e Garrincha, dois gênios do futebol, tinha Nilton Santos, Zagallo, Didi, Orlando, Djalma Santos, um brilhante goleiro como o Gilmar, Dino Sani, Mazolla... Esse time foi incomparável", disse.

Parreira garantiu que não vê a conquista do título mundial em 1994 como o mais importante da seleção brasileira, mas reconheceu que a pressão pelo longo jejum tornou o triunfo na Copa dos Estados Unidos mais celebrado.

"Nenhuma conquista de Copa do Mundo é mais importante do que a outra. Todos foram importantes dentro do seu contexto e época. A única coisa diferente é que tínhamos um hiato muito grande, 24 anos sem título incomodava muito, então havia um peso e uma pressão muito grande", lembrou.

Mas, como não poderia deixar de ser, Parreira reconheceu que o título de 1994 marcou a sua carreira. "A ficha não cai, é o que marca a carreira, é o ápice e o selo da sua carreira", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.