Divulgação
Divulgação

Aos poucos, Tite resgata jogadores que estavam em baixa na seleção

Thiago Silva e Fernandinho estão entre os jogadores que o treinador tenta recuperar

Ciro Campos, enviado especial a Natal, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2016 | 07h00

A rotina de técnico da seleção brasileira para Tite tem sido mais complexa do que ver partidas, planejar treinos e escolher jogadores. Desde a chegada ao cargo, em junho, o novo treinador se preocupa principalmente em conversar com quem deseja convocar. E um dos assuntos centrais dos telefonemas, conversas no vestiário e diálogos informais na concentração é curar possíveis feridas dos atletas com a própria seleção ou assuntos mal resolvidos no passado.

Essa postura de reconciliação possibilitou promover o retorno de quem andava em litígio com a equipe. O zagueiro Thiago Silva, por exemplo, está de volta à seleção que treina em Natal, para o jogo de quinta-feira com a Bolívia, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, após mais de um ano. Conflitos com ex-treinador, Dunga, fizeram o defensor do Paris Saint-Germain, assim como o lateral Marcelo, ficar longe das listas.

Os dois jogadores integram um grupo que aos poucos reconstrói o prestígio na seleção. Tratam-se dos remanescentes da última Copa. Tite chamou nesta última lista oito atletas que estiveram no Mundial em 2014, contra cinco presentes na convocação anterior. Embora Marcelo tenha ficado fora por lesão, reapareceram na seleção brasileira depois de no mínimo seis meses fora o próprio Thiago Silva, mais o meia Oscar e o volante Fernandinho, possível titular contra a Bolívia.

O volante do Manchester City elogiou bastante a forma como foi procurado por Tite. Fernandinho contou ter gostado da abertura para dialogar e do conhecimento do técnico sobre a forma como atua no clube inglês. "É bom voltar à seleção. Nosso principal objetivo agora é se recuperar da última Copa e tentar conquistar um título para a apagar a marca que ficou...Se é que um dia vai apagar", comentou.

Fernandinho esteve em campo na fatídica goleada sofrida para a Alemanha, mas apesar da volta à seleção, ainda não tem o mesmo prestígio do que outros companheiros de Copa 2014. Paulinho, por exemplo, ficou entre o Mundial no Brasil e a primeira listagem de Tite, em agosto, sem ser lembrado. Retornou como titular absoluto e convocado mesmo suspenso da partida com a Bolívia. Já Neymar, Willian e Daniel Alves são nomes regulares na seleção desde as primeiras aparições.

O objetivo de Tite nesses contatos é conhecer melhor os jogadores e compensar o pouco tempo de convivência. Em Natal, antes do jogo a Bolívia, por exemplo, serão só duas atividades com o grupo completo até a realização da partida. Por isso, o técnico tem procurado ouvir dos atletas sobre como costumam atuar nas suas equipes e reiterar a quem foi cortado o interesse no futebol deles. 

Tite também falou com os treinadores dos times em que jogam os seus convocados para entender o momento particular dos jogadores. Um dos telefonemas foi para o italiano Antonio Conte, do Chelsea, sobre os meias Willian e Oscar. "Ele é um excelente profissional e tem por natureza e índole ser justo, honesto, fala olho no olho com a situação. É assim que ele decidiu e age como treinador. Faz todos terem a consciência de que são importantes", elogiou o meia Giuliano.

No fim do treino desta terça o técnico deu um exemplo de como gosta de lidar com o time. No término da atividade que indicou a saída de Willian e a entrada de Philippe Coutinho como titular, Tite reuniu os dois, os abraçou e disse que queria uma disputa sadia entre ambos pela posição.

Mais conteúdo sobre:
Seleção Brasileira de Futebol Tite

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.