Ivan Storti/ Santos FC
Ivan Storti/ Santos FC

Apagado, Marinho é eleito melhor da Libertadores, chora e pede desculpas

Palmeiras priorizou a marcação sobre o atacante, que teve poucas oportunidades na partida

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

30 de janeiro de 2021 | 20h14

O atacante Marinho foi eleito o melhor jogador da Copa Libertadores. Apesar da atuação apagada na decisão e da derrota por 1 a 0 para o Palmeiras, neste sábado, no Maracanã, o jogador do Santos venceu a eleição popular promovida por um dos patrocinadores da competição.

Além de Marinho, mais três jogadores estavam envolvidos na disputa: Soteldo, seu companheiro de setor ofensivo no Santos, e dois campeões pelo Palmeiras: o goleiro Weverton e o atacante Rony.

Marinho participou de 10 dos 13 jogos do Santos na Libertadores. E marcou quatro gols, sendo dois na fase de grupos, diante de Delfín e Olimpia, e dois no mata-mata, contra a LDU e o Grêmio. Na decisão, porém, Marinho teve espírito de luta, mas não a sua conhecida inspiração, tanto que nem conseguiu finalizar ao gol.

Pela premiação, Marinho recebeu um anel. Ele tem uma imagem semelhante ao Maracanã, o estádio da decisão da Libertadores, 30 gramas de ouro, 131 diamantes, uma safira amarela e uma esmeralda. E ainda vem com as inscrições "Best of The Tournament" e "Conmebol Libertadores".

A premiação, porém, não apagou a decepção de Marinho com a derrota na final. Ele pediu desculpas aos torcedores do clube, por não ter conseguido conduzir o Santos ao título. E foi às lágrimas. "Hoje não consegui ser o Marinho, mas eu entendo uma coisa: os planos de Deus são totalmente diferentes dos meus. Eu fico triste porque não consegui ajudar muito meus companheiros", disse Marinho, que também destacou a união do elenco do Santos.

"Uma família que passou por muita coisa, desacreditado por muitos, mas ninguém vai tirar da gente que somos vencedores. Então, eu agradeço toda a nação, todo mundo que torceu por nós. E fico triste por não levar esse título para o torcedor que merece, mas vida que segue. Vamos continuar trabalhando, honrando a camisa. Peço desculpa ao torcedor, sei o peso que carrego nessa camisa e fico triste por não conseguir ser o Marinho que eu vinha sendo", acrescentou.

Marinho também exaltou o técnico Cuca, apontando o trabalho do treinador como fundamental para o sucesso da equipe, que eliminou três campeões - LDU, Grêmio e Boca Juniors - antes de parar no Palmeiras. "Agradecer ao professor Cuca, que nos ajudou muito e nos deu confiança para chegar até aqui. Agora, é trabalhar. Como falei, ninguém vai tirar da gente que somos vencedores", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.