Apenas oito jogadores do time campeão estão vivos

A confirmação pela Fifa de que a Taça Rio de 1951 pelo Palmeiras tem a importância de um título mundial é motivo de imensa alegria para os poucos jogadores daquele time que ainda estão vivos. Quase cinqüenta e seis anos depois, a diretoria alviverde prepara agora uma festa e pretende convidar todos: Achilles, Canhotinho, Dema, Fábio, Juvenal, Oberdan, Richard e Sarno.Destes, Oberdan e Achilles passaram o dia revivendo as glórias da conquista. "Foi um grande torneio, muito disputado, e importante para o Brasil. Honramos o País, que estava triste com a derrota na Copa do Mundo de 1950", discursa o ex-goleiro Oberdan, que mora em São Paulo e era reserva na final - foi sacado após a derrota por 4 a 0 para a Juventus, no encerramento da primeira fase.Achilles, que atualmente reside no Mato Grosso, também estava bastante satisfeito. "Demorou, mas enfim foi reconhecido. Estou muito feliz", disse, em entrevista por telefone. Ele fez dois gols na primeira fase e, por uma infelicidade, quebrou a perna na partida contra o Vasco, nas semifinais, ficando fora do time na decisão.Os outros jogadores estão espalhados pelo Brasil: Juvenal (zagueiro) mora na Bahia, Richard, que fez um gol na final, está em Santa Cruz do Rio Pardo e Fábio, goleiro, mora em São Paulo, além de Canhotinho (meia-esquerda). Já Dema e Sarno estão com a saúde debilitada.O grupo de jogadores que foi campeão da Taça Rio em 1951: Achilles; Canhotinho; Dema; Fábio; Jair Rosa Pinto; Juvenal; Lima; Liminha; Luiz Villa; Oberdan; Ponce de León; Richard; Rodrigues; Túlio; Salvador; Sarno; e Waldemar Fiúme. O técnico era Ventura Cambon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.