Lee Smith/Reuters
Lee Smith/Reuters

Apertar a barba de Rami vira ‘amuleto’ da França na Copa do Mundo

Supersticiosos, jogadores repetem ritual curioso antes de todas partidas da equipe no Mundial da Rússia - na final não será diferente

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

14 Julho 2018 | 05h00

Embora os franceses tenham dado uma contribuição importante para o mundo nas áreas baseadas na racionalidade, como a filosofia, eles também são supersticiosos. Pelo menos os jogadores. A seleção francesa usou seis uniformes diferentes ao longo da Copa do Mundo da Rússia. Os jogadores repetem um ritual curioso antes de todos os jogos: apertar a barba do defensor Adil Rami, o mais divertido do grupo. “Isso nos traz sorte. Fizemos antes dos outros jogos e faremos antes da final”, confirmou o atacante Antoine Griezmann, após a vitória sobre a Bélgica

+ França mobilizará 110 mil policiais para segurança no fim de semana

+ Griezmann ironiza provocação de Courtois e diz que troca Bola de Ouro por título

+ Vazou: site exibe camisas da França com estrela do título mundial

As superstições não são particulares dessa geração. Na Copa do Mundo de 1998, quando os franceses conquistaram o título em casa, o zagueiro Laurent Blanc sempre beijava a careca do goleiro Barthez depois de todos os jogos. O técnico atual, Didier Deschamps, era o capitão daquele time.

O professor Gerson de Moraes, doutor em Filosofia e professor de Ciências da Religião da Universidade Presbiteriana Mackenzie, vê um paradoxo na superstição francesa. “A Revolução Francesa nasce combatendo elementos obscurantistas, entre eles, a religião. Apesar disso, dois movimentos no século 19 criam um paradoxo com essa tradição: o movimento espírita e o positivismo. O espírito francês tem uma sociedade laica e secular, mas que não exclui elementos de religiosidade e superstição”, explica. 

As mandingas são comuns no futebol, principalmente entre as seleções da Copa. O português Cristiano Ronaldo, por exemplo, só entra em campo com o pé direito. Em 2014, quando escolheu o CT do Atlético Mineiro para treinar, a Argentina pediu a exclusão dos números 13 e 17 dos quartos dos jogadores. Segundo Carlos Bilardo, então diretor de seleções, esses números dão azar. 

 

“No futebol, existe o imponderável. Todo atleta de alto rendimento sabe que não tem o controle de tudo. Nessas horas, ele busca nos atos ritualísticos e na sua devoção forças para cumprir o que foi determinado. Existe a racionalidade, mas também aquilo que não se explica. A superstição traz a sensação de controle. Os atletas acreditam que tudo vai dar certo se o ritual for repetido”, explica Moraes. 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.