Apesar da pressão, médico fica no Santos

O médico Carlos Braga não se demitiu, nem foi demitido do cargo de chefe do departamento médico do clube. Depois de um dia tenso no CT Rei Pelé, com a crise aberta pela crítica de alguns jogadores ao trabalho desse setor, o presidente Marcelo Teixeira comunicou por intermédio do diretor de saúde, Evandro Trocoli, que Braga e seus colegas tinham total apoio da diretoria.Tudo ficou resolvido numa reunião realizada na noite desta terça-feira na Vila Belmiro e Carlos Braga comentou, ao deixar o encontro: "houve solidariedade e apoio total ao trabalho do departamento". Como o Santos está de gerente de futebol novo - Luís Henrique de Menezes - haverá uma reformulação, com a definição clara do que cada um fará.Braga revelou que o técnico Oswaldo de Oliveira nunca se queixou de qualquer atitude do departamento médico e que há harmonia entre os dois. Já em relação aos jogadores, comentou que, num grupo de 36 atletas, "ter alguém descontente é normal". Não quis falar em nomes, mas voltou a comentar que as críticas feitas ao trabalho dos médicos "são infundadas e inverídicas".O trabalho do departamento médico foi questionado por alguns jogadores do Santos entre eles, Fabio Baiano, Antonio Carlos e Zé Elias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.