Jean Bizimana/Reuters
Jean Bizimana/Reuters

Apesar de afastamento de procurador, MP da Suíça promete seguir investigando Fifa

Michael Lauber teve que deixar o caso por conflito de interesses após três reuniões não declaradas com o presidente da Fifa, Gianni Infantino

Redação, Estadão Conteúdo

19 de junho de 2019 | 14h10

O Ministério Público da Suíça veio a público nesta quarta-feira para afirmar que vai seguir investigando os casos de suspeita de corrupção da Fifa, apesar do afastamento do procurador-geral Michael Lauber das principais apurações envolvendo o nome da entidade que rege o futebol mundial.

Lauber foi afastado de ao menos 25 casos citando a Fifa, na terça-feira, por uma decisão de uma corte federal suíça. A Justiça local considerou conflito de interesses porque Lauber esteve em três reuniões não declaradas com o presidente da Fifa, Gianni Infantino, entre 2016 e 2017.

Ao decidir pelo afastamento do procurador-geral, que agora está enfrentando um painel disciplinar interno, a Justiça suíça atendeu recurso impetrado por duas pessoas, não identificadas, que estão envolvidas nos casos investigados. O afastamento de Lauber se tornou um golpe na força-tarefa que investiga a Fifa desde 2015.

Por essa razão, o Ministério Público veio a público nesta quarta para reafirmar sua intenção de seguir investigando a entidade. De acordo com o MP, um grupo de procuradores, analistas especializados em finanças e policiais federais segue apurando os casos. Jacques Rayroud, vice-procurador-geral, assumiu o comando das investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.