Divulgação
Divulgação

Apesar de restrições rígidas, bebidas alcoólicas estarão disponíveis na Copa do Mundo do Catar

Torcedores que adquirirem ingressos chamados 'hospitalidade' serão liberados para beber durante a competição em 2022

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2021 | 12h30

Apesar das rígidas regras em relação ao consumo de álcool no Catar, bebidas alcoólicas estarão disponíveis nos camarotes dos estádios da Copa do Mundo de 2022. O consumo, no entanto, não estará disponível para todos. Apenas torcedores que tenham ingressos chamados "hospitalidade" serão liberados para tal regalia. Isso foi o que informou a fornecedora oficial dos bilhetes para a Copa, nesta segunda-feira. 

"Esperamos que as pessoas possam (beber) sem problemas", disse Jaime Byrom, presidente da Match Hospitality, ao anunciar o lançamento de ofertas para o torneio de futebol. "Antecipamos ser capazes de servir álcool em nosso programa de hospitalidade", acrescentou.

A discussão sobre a disponibilidade ou não de álcool nos estádios para a Copa do Mundo do Catar acontece desde que o país obteve a concessão para sediar o evento, em 2010. Isso porque em Doha o consumo de álcool em lugares públicos é proibido e apenas locais específicos, como hotéis de luxo e restaurantes, servem bebidas. 

A empresa ainda disse que irá propor "uma seleção de champanhe, sommeliers, vinhos e licores de qualidade" no camarote Pearl Lounge, localizado no Estádio Lusail, que sediará a partida de abertura e a final da Copa do Mundo. O preço do serviço ainda não foi divulgado. No Catar, embriagar-se em público é crime e o preço da bebida alcoólica, onde pode-se vender, é alto. Meio litro de cerveja, por exemplo, custa mais de US$ 15 (R$ 82) e uma taça de vinho cerca de US$ 20 (R$ 110).

TESTE NO ÚLTIMO MUNDIAL DE CLUBES 

Durante a realização do Mundial de Clubes, em 2019, a Fifa criou uma 'fan zone', onde torcedores foram autorizados a consumir bebidas alcoólicas na zona nos arredores de Doha. Naquela ocasião, uma cerveja custava cerca de US$ 7 (R$ 38). Hassan al-Thawadi, secretário-geral do Comitê Organizador Supremo da Copa do Mundo, declarou que o álcool "não faz parte da nossa cultura, mas a hospitalidade sim". Não haverá "fan zone" durante a Copa do Mundo de Clubes deste ano, que começa nesta quinta-feira, devido a medidas preventivas estritas contra covid-19.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.