Carl Recine/Reuters
Carl Recine/Reuters

Apesar de rivalidade entre países, Rakitic diz que torcerá por Djokovic

Tenista sérvio já havia declarado que irá torcer para a Croácia na final contra a França; meia croata retribuiu o suporte

Gonçalo Junior, enviado especial/Moscou, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2018 | 14h14

Apesar da rivalidade entre sérvios e croatas desde a dissolução da antiga Iugoslávia nos anos 1990, o tenista sérvio Novak Djokovic declarou que irá torcer para a Croácia na final da Copa do Mundo, no domingo, contra a França, em Moscou. Nesta sexta-feira, o meia croata Ivan Rakitic foi questionado sobre o apoio de Djokovic e retribuiu o suporte. Curiosamente, a final masculina do Torneio de Wimbledon será realizada no mesmo dia da final do Mundial da Rússia.

+ 'Melhor jogador da Copa tem de ser croata', diz Rakitic a dois dias da decisão

+ Alemanha é a maior vencedora da disputa do 3º lugar na Copa do Mundo

+ Delph pede festa para seleção inglesa no retorno após a Copa do Mundo

"Tiro o meu chapéu para ele. Também afirmo que vou torcer para ele estar na final de Wimbledon. Quero que domingo seja um dia de títulos para nós dois. As pessoas precisam entender que somos seres humanos. A história fica para trás. E ele é uma pessoa fantástica", afirmou o jogador do Barcelona, em entrevista coletiva em Moscou.

Rakitic comentava a repercussão sobre o posicionamento de Djokovic, que gerou críticas do deputado Vladimir Djukanovic, do Partido Sérvio do Progresso, o mesmo do presidente Aleksandar Vucic e que representa a direita no país. "Só os idiotas podem apoiar a Croácia. Novak, você não tem vergonha disso?", disparou o político nas redes sociais.

Rakitic revelou que é amigo pessoal do tenista sérvio, apesar das divergências políticas entre as duas nações. "Nós nos conhecemos em Miami e ele é um cara espetacular. Desejo a ele toda a sorte do mundo. E, se todos vencermos no domingo, vamos comemorar juntos", finalizou.

 

Em Wimbledon, o sérvio ainda precisa passar pelo espanhol Rafael Nadal na semifinal, ainda nesta sexta, antes de chegar à decisão, marcada para as 10 horas (de Brasília) de domingo. Já a Croácia enfrenta a França no domingo, às 12h (também de Brasília), depois de chegar à Copa pela primeira vez em sua história. Como as finais masculinas costumam durar ao menos duas horas, é quase certo que a final do tênis vai alcançar a decisão da Copa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.