Wilton Júnior / Estadão
Wilton Júnior / Estadão

Apesar de sofrimento, Tite diz que Brasil 'deu aula' de futebol no segundo tempo

Técnico afirma que não está preocupado em brigar pela liderança do grupo E

Almir Leite, Leandro Silveira, Marcio Dolzan, enviados especiais / São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 13h18

Apesar de a seleção brasileira só ter conseguido os dois gols que garantiram a vitória sobre a Costa Rica nos acréscimos, o técnico Tite considera que a equipe "deu aula" de futebol na etapa final do confronto deste sábado, em São Petersburgo. Para ele, o time nacional exibiu volume de jogo contra um adversário que jogou trancado atrás, soube controlar a ansiedade e teve paciência até chegar ao gol.

+ Neymar desabafa nas redes sociais após vitória: 'Falar até papagaio fala'

+ Coutinho exalta 'emoção muito grande' em gol e elogia atuação do Brasil

+ Gabriel Jesus pede mais apoio aos torcedores: 'Críticas a gente tem demais'

Questionado pelo Estado na entrevista coletiva sobre a ansiedade dos jogadores e a pressa em decidir, o treinador respondeu: "No primeiro tempo eu concordo; no segundo deu aula". Em sua análise, o time jogou um "grande segundo tempo", teve volume e fez o goleiro costarriquenho trabalhar bastante: "O primeiro tempo teve um início nervoso, errando passe. Depois, o Navas jogou muito".

Para Tite, o sofrimento da seleção brasileira nos dois primeiros jogos é explicado pelo fato de ser "Copa do Mundo". "A margem de erro é muito pequena. Ontem (na quinta-feira) as três equipes venceram por 1 a 0 em jogos importantes", disse o comandante. Na realidade, apenas duas seleções ganharam seus jogos na última quinta - a Croácia bateu a Argentina por 3 a 0 e a França superou o Peru por 1 a 0, enquanto Dinamarca e Austrália empataram por 1 a 1 no outro confronto do dia.

Tite não concorda que os jogadores tenham ficado tensos demais na partida contra a Costa Rica, apesar das constantes reclamações e contrariedade com as marcações da arbitragem e a cera dos adversários. Para ele, o time esteve "mentalmente forte".

 

O treinador voltou a dizer que persegue o bom desempenho do time, que vai trabalhar para que a seleção cresça durante a Copa e garantiu que ainda não está preocupado em estabelecer a luta pela liderança lugar no Grupo E. "A busca para ser primeiro não está em pauta. Vejo a equipe se consolidar e crescer, vai se construindo ao longo da competição. Eu, como técnico, tenho de ficar observando para 'oportunizar' a construção dessa equipe."

Ele revelou estar bastante satisfeito com o desempenho defensivo do Brasil, que em dois jogos permitiu poucas chances de gol aos adversários. Porém, o comandante revelou onde quer ver evolução na equipe nacional. "Em termos criativos e de construção, (a seleção) está devendo. Precisa ser mais equilibrada", enfatizou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.