Apesar dos problemas, Parreira aposta em Ronaldo

Apesar do novo problema físico e da fraca atuação na estréia, Ronaldo será mantido no time titular da seleção brasileira contra a Austrália, domingo, em Munique, pela segunda rodada da Copa. O técnico Carlos Alberto Parreira admitiu nesta quinta-feira, em entrevista coletiva em Königstein, que está fazendo uma aposta no jogador - principalmente, por causa de seu histórico e de confiança que tem em sua recuperação."Se fosse um jogador que estivesse começando, meu procedimento poderia até ser outro, mas um atleta com o histórico do Ronaldo merece uma oportunidade para que ele se recupere", afirmou Parreira, garantindo que vai manter os titulares da estréia. "O time está confirmado."Ronaldo teve um mal-estar na quarta-feira e chegou a ser levado para uma clínica médica, onde realizou diversos exames. Como nada foi constatado e seu estado melhorou, ele treinou normalmente nesta quinta.Mas esse não foi o primeiro problema de Ronaldo nesta Copa. Antes, ele teve bolhas no pé, enfrentou uma febre e se envolveu em polêmica com o presidente Lula. Além disso, foi mal na estréia do Brasil, contra a Croácia. "A atuação dele não foi boa. Estava fora de sintonia", avaliou Parreira.O técnico da seleção garantiu que o mal-estar sentido por Ronaldo na quarta-feira já foi superado. "Conversei com ele e está tudo bem. Parece que já superou essa história", revelou Parreira. "Estamos tranqüilos. Internamente não foi um problema."Apesar de confirmar a presença de Ronaldo e do time da estréia, Parreira avisou que pode fazer mudanças na seleção se não houver melhora contra a Austrália. "Não há jogadores intocáveis no Brasil. Existem jogadores importantes, que merecem chance de mostrar seu potencial", afirmou.Tática contra os australianosParreira também deu detalhes do que espera da Austrália, a próxima adversária do Brasil. "É uma seleção muito forte fisicamente. E tem 3 ou 4 jogadores de bom nível técnico", contou o treinador. "Seremos muito marcados."Por isso, segundo Parreira, a seleção brasileira tem que impor seu estilo de jogo. "Precisamos jogar mantendo nossas características. Botar a bola no chão, fazer ela correr e evitar muito contato físico. Movimentar os jogadores em campo é fundamental. Fazer a bola girar é o caminho", explicou o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.