Kin Saito/CBF
Kin Saito/CBF

Após 14 anos, Brasileirão volta a ter mulher como árbitra na Série A

CBF escala Edina Alves para apitar o jogo da próxima segunda-feira entre CSA e Goiás

Redação, O Estado de S. Paulo

21 de maio de 2019 | 15h34

O Campeonato Brasileiro terá uma novidade na próxima segunda-feira. Depois de 14 anos, uma árbitra voltará a comandar uma partida da Série A da competição. Quem terá essa honra será a paranaense Edina Alves, que vai trabalhar no jogo entre CSA e Goiás, em Maceió, e encerrar o jejum que já dura desde 2005, ano da última participação feminina no apito.

Naquele ano, Silvia Regina de Oliveira apitou o confronto entre Fortaleza e Paysandu, pelo segundo turno. Curiosamente, ela também vai trabalhar no jogo entre CSA e Goiás e terá como função supervisionar o funcionamento do sistema de árbitro de vídeo (VAR). Na opinião do presidente a Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, a escalação de Edina na rodada representa um feito histórico para o futebol brasileiro.

"Eu só consigo ver meus árbitros como pessoas iguais. Acho que ela serve como exemplo não só para mulheres, mas para todos", disse o dirigente. Gaciba contou que Edina atuava como assistente, porém decidiu recomeçar a carreira como árbitra, voltou a apitar nas categorias de base e cresceu até conseguir atingir o nível de apitar uma partida da Série A.

Edina vai viajar nas próximas semanas para a França, onde vai trabalhar como árbitra na Copa do Mundo Feminina. A paranaense terá como auxiliares Neuza Back e Tatiane Camargo, que não vai poder participar da partida em Maceió por estar lesionada. Emerson Augusto de Carvalho, que trabalhou na Copa da Rússia, será o substituto dela.

"O time brasileiro que vai para o Mundial chega como um dos mais fortes do mundo. E eu tenho certeza que essa escala na Série A vai dar muito mais força mental para elas para chegarem ao Mundial e fazer um excelente trabalho", comentou Gaciba.

O projeto de dar mais espaço para mulheres apitarem na Série A teve início em 2017, quando o coronel Marcos Marinho era o diretor de arbitragem da CBF. Ao lado da Integrante da Escola Nacional de Arbitragem de Futebol e ex-árbitra Ana Paula Oliveira, o dirigente tinha a vontade de aumentar a presença feminina no comando das partidas do Brasileiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.