Manu Fernandez/ AP
Manu Fernandez/ AP

Após 16 anos, Leeds United retorna à Premier League diante do Liverpool 

Andrea Radrizzani, atual proprietário do clube, explica como está tentando redefinir a equipe

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2020 | 18h51

Andrea Radrizzani, atual proprietário do Leeds United, está tentando redefinir o clube que se tornou sinônimo de má administração financeira nos últimos anos. O dirigente abriu um novo caminho no comando do time, com a ajuda do técnico Marcelo Bielsa, levando a equipe de volta à Premier League após 16 anos.

Antes da estreia neste sábado contra o Liverpool, às 13h30 (horário de Brasília), no estádio Anfield, Radrizzani explicou em uma entrevista à Associated Press, que neste ano, o objetivo é o de se manter na Premier League, mas que após três anos na primeira divisão inglesa, o clube tentará "voos mais altos, mas sempre com cautela".

"Podemos certamente investir mais, mas acredito que temos que ser cautelosos sobre como entramos no mercado, porque nem sempre é garantido que o dinheiro trará resultados. Espero que possamos permanecer na Premier League por dois anos de forma estável", disse Radrizzani. "Depois desse primeiro ciclo de dois anos, acho que estaremos prontos para intensificar e fechar a lacuna com as equipes maiores. Obviamente, meu objetivo, se eu olhar para um período de três, cinco anos, é ficar logo atrás dos seis primeiros."

Isso significaria que o regresso às competições europeias terá de esperar. O Leicester, porém, venceu a Premier League em 2016 e conquistou uma vaga na Champions League, apenas dois anos depois de retornar à primeira divisão. E Wolverhampton se classificou para a Liga Europa em 2019 em sua primeira temporada de volta à primeira divisão.

"É impossível", disse Radrizzani. "Seria errado fazer isso porque não há base para isso. Obviamente, existem equipes que fizeram uma história incrível como o Leicester, mas o Leicester é um exemplo também de estabilidade e sustentabilidade ao longo do tempo. Acho que precisamos ser realistas sobre quais são nossas possibilidades agora, e nosso objetivo é permanecer na Premier League."

O Leeds quebrou um recorde de transferência de clubes que durava 20 anos. Rodrigo, um atacante espanhol de 29 anos, foi contratado do Valencia por US$ 40 milhões. A taxa superou os 18 milhões de libras gastos com o zagueiro Rio Ferdinand em 2000, durante os pesados gastos que contribuíram para a crise financeira do clube, após apostar imprudentemente para conseguir se classificar para a Liga dos Campeões de maneira consistente.

Ao sancionar cerca de 60 milhões de libras em taxas durante a janela de transferência do verão, Radrizzani avaliou como outros clubes gastaram depois de serem promovidos à liga mais rica do mundo. O Aston Villa foi o segundo maior gastador da Inglaterra no ano passado, mas o gasto de 145 milhões de libras com 12 jogadores não evitou um final ansioso para a temporada, já que o clube evitou o rebaixamento por pouco.

"Você viu o Aston Villa investido na última temporada... E não foi rebaixado no último jogo", disse Radrizzani. "E do outro lado, o Sheffield United investiu menos. Então, o futebol não é só dinheiro, é o projeto e o estilo de jogar, a coesão dos jogadores, a motivação, a abordagem mental do jogo."

É aí que entra Bielsa. Embora aconselhado por Radrizzani a "relaxar porque ele traz muito estresse", o presidente sabe a importância do gênio técnico do argentino para o renascimento da equipe.

Bielsa participa do processo de tomada de decisão quando se trata de contratar jogadores junto com o diretor de futebol Victor Orta, o presidente-executivo Angus Kinnear e Radrizzani. Os jogadores que entram devem ser "humildes para aprender", explicou Radrizzani.

Radrizzani, comprou o time três anos atrás por meio da empresa de investimentos Aser. "Antes de mim, o Leeds era um clube de transição, onde você vem para fazer seu currículo e vai jogar e buscar o sucesso em outro lugar", disse. "Agora é um destino, é um clube onde o jogador quer vir e ficar porque o Leeds United é um grande clube."

Radrizzani quer expandir o Leeds, adicionando mais clubes ao portfólio da Aser, que inclui a emissora Eleven Sports. E um dia, assim como há duas décadas, Radrizzani espera ver o clube na Liga dos Campeões.

"Precisamos manter esse objetivo e essa motivação em nossa mente, trabalhar duro para estar onde estávamos há 20 anos", disse ele. "Mas também ao mesmo tempo sabendo que o mundo mudou e precisamos trabalhar de uma forma diferente."/ Com informações da AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.