Divulgação
Divulgação

Após 18 horas de viagem, Ponte Preta chega a Campinas

Cancelamento de voo em Vilhena ocasiona mudança

Estadão Conteúdo

05 Março 2015 | 21h05

A Ponte Preta não teve que enfrentar apenas o desgaste físico do empate com o Vilhena-RO, por 1 a 1, pela Copa do Brasil. Além do duelo de terça-feira à noite, o elenco precisou encarar uma cansativa viagem que, entre atrasos e imprevistos, totalizou mais de 18 horas.

O retorno da delegação campineira teve início às 6 horas da manhã nesta quarta-feira. Após o cancelamento do voo em Vilhena por conta do mal tempo e um deslocamento de quatro horas de ônibus a Cacoal, outra cidade do interior rondoniense, o grupo embarcou para uma conexão em Cuiabá.

Na capital mato-grossense, um problema mecânico no avião fez o voo atrasar mais duas horas. Ainda assim, os jogadores foram divididos em dois grupos, que voltaram em voos diferentes. A segunda parte chegou apenas na madrugada desta quinta.

A decisão de poupar os titulares na partida da Copa do Brasil do técnico Guto Ferreira foi certeira. Afinal, o grupo considerado principal ficou treinando em Campinas para o jogo contra o Mogi Mirim, sábado, pela oitava rodada do Paulistão. "O pessoal teve uma viagem desgastante, mas nós tivemos a oportunidade de ter essa semana cheia para treinar. E isso foi importante", destacou o zagueiro Pablo, um dos poupados contra o Vilhena.

Do time que viajou para Rondônia, apenas um jogador deve começar entre os titulares contra o Mogi. Como o meia Renato Cajá está suspenso pelo terceiro cartão amarelo, Adrianinho ou Thomás deve começar jogando.

Mais conteúdo sobre:
futebol Ponte Preta Copa do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.