Rubens Chiri/saopaulofc.net
Rubens Chiri/saopaulofc.net

Após 18ª queda, São Paulo tem de pagar contas do presente e do passado

Jogadores sentem a pressão pelos anos de jejum - última conquista foi em 2012 na Copa Sul-Americana

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2018 | 07h00

Com a queda diante do Atlético-PR na Copa do Brasil, o São Paulo soma 18 eliminações desde a Copa Sul-Americana de 2012, o último título que o time conquistou. A sequência pesa sobre o elenco atual. “A gente sabe que são anos sem brigar por títulos. Vai sobrar para o time atual”, diz Sidão. “Vamos com tudo no Brasileiro e na Sul-Americana", prometeu o goleiro.  

+ Na mira do Vasco, Diego Souza pode deixar o São Paulo por empréstimo

+ Everton é regularizado no São Paulo e pode estrear no domingo

O torneio internacional virou a tábua de salvação para o clube, considerando que a meta declarada no Brasileirão é apenas uma vaga na Libertadores. Após o empate por 0 a 0 diante do Rosario Central, o jogo de volta será no dia 9 de maio, no Morumbi. Até lá, o time fará três jogos pela competição nacional.

“Isso (sequência de eliminações) é um dado da realidade, mas eu não posso pensar que isso influencia. É uma coisa que acontece e temos que cortar e reverter essa situação. É trabalhando e olhando para frente”, disse o técnico Diego Aguirre. 

As duas últimas quedas do São Paulo tiveram o mesmo personagem central: o meia Liziero. Destaque da nova geração do São Paulo, o jogador de 20 anos perdeu um pênalti na decisão com o Corinthians pelas semifinais do Paulista (Diego Souza perdeu o outro). Além disso, foi ele quem tocou a mão na bola após dar um carrinho no pênalti a favor do Atlético-PR. Os jogadores defenderam o garoto. “Não podemos individualizar. Todos perdem e todos ganham, foi um lance do jogo, sem querer”, disse o volante Jucilei. 

Para começar a se recuperar emocionalmente, o time poderá contar com o atacante Everton no jogo de amanhã, diante do Ceará pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. O reforço, a contratação mais cara do clube no ano, está com a situação regularizada na CBF.

Ontem, ele fez seu primeiro treino coletivo e jogou aberto pelo lado esquerdo, ao lado de Cueva. A atividade foi acompanhada pelo presidente Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, e por Raí, diretor de futebol. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.