Dylan Martinez/Reuters
Dylan Martinez/Reuters

Após 23 jogos, Copa já tem 5 jogadores que marcaram gols contra a própria seleção

Mundial da Rússia começa com média de um gol deste tipo a cada 4,6 duelos

Rafael Franco, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 05h00

Depois de 23 partidas, a Copa do Mundo da Rússia contabiliza um número curioso. Cinco jogadores já "atentaram contra a própria pátria" ao marcarem gols para os seus adversários em cinco diferentes jogos deste Mundial. E todas estas indesejadas bolas na rede para os seus autores pesaram de forma importante para derrotas sofridas por suas respectivas seleções nestes confrontos.

+ Vote na camisa de seleção mais bonita desta Copa!

+ QUIZ - Descubra quem é você na seleção brasileira

O mais decisivo de todos estes gols contra foi marcado pelo marroquino Bouhaddouz, aos 49 minutos do segundo tempo, quando desviou uma bola para o próprio gol ao tentar cortar um cruzamento quando o empate por 0 a 0 com o Irã se desenhava como o resultado final na partida de estreia das duas seleções, em São Petersburgo.

E esta derrota realmente pesou para Marrocos, que acabou sendo eliminada por antecipação do Mundial ao voltar a perder de 1 a 0 na rodada seguinte, desta vez para Portugal, na última quarta-feira, em Moscou. Caso tivesse somado um ponto na estreia, a seleção africana teria ao menos chance matemática de brigar por classificação às oitavas de final no próximo dia 25, quando encara a Espanha, em Kaliningrado, onde irá se despedir da competição.

Outro jogador que marcou gol contra na estreia de sua seleção foi o zagueiro brasileiro naturalizado polonês Thiago Cionek. Ele acabou abrindo o placar de forma amarga para o Senegal ao tentar desviar uma finalização, mas ver a bola tomar a direção da meta do goleiro Szczesny, pego no contrapé com a mudança de rota da bola.

 

Depois disso, os senegaleses voltariam a marcaram no segundo tempo após serem beneficiados por uma falha da zaga polonesa, mas desta vez a mesma não envolveu Cionek. A seleção europeia ainda descontou o placar com um gol no final do segundo tempo, mas o estrago já estava feito e o time acabou perdendo o jogo por 2 a 1, em Moscou, pela primeira rodada do Grupo H do Mundial.

Se o defensor brasileiro estreou de forma negativa em uma Copa com a camisa polonesa, o volante Etebo acabou fazendo um gol contra que também inaugurou o placar da vitória da Croácia sobre a Nigéria, por 2 a 0, em Kaliningrado, pelo Grupo D da Copa.

O jogador nigeriano desviou para dentro da própria meta uma cabeçada do atacante Mandzukic, mas foi um lance rápido, em que o atleta não pode ser "crucificado" pelos torcedores da seleção africana por sua participação na jogada. O fato é, porém, que ele ajudou a abrir o caminho para o triunfo dos croatas.

Curiosamente, um quarto gol contra marcado por um jogador neste Mundial também serviu para tirar o zero do placar de uma quarta partida da competição. O lateral-direito Fathi, capitão do Egito, acabou colocando a bola fora do alcance do goleiro El Shemany ao tentar cortar uma finalização cruzada e acertar o canto esquerdo do companheiro de seleção durante a derrota por 3 a 1 para a Rússia, em São Petersburgo.

No caso, o gol contra marcado no primeiro minuto da etapa final desestruturou o time egípcio, que depois voltaria a ser vazado pela seleção anfitriã por mais duas vezes rapidamente, aos 13 e aos 16 minutos. O astro e estreante Salah, do Liverpool, ainda descontou o placar em cobrança de pênalti, mas já era tarde para buscar uma reação.

Como já haviam sido derrotados por 1 a 0 pelo Uruguai na estreia, os egípcios também foram eliminados da Copa com uma rodada de antecipação no Grupo A, no qual fará uma despedida triste contra a Arábia Saudita, na próxima segunda-feira, em Volvogrado, em um confronto entre duas seleções que apenas cumprirão tabela.

O outro autor de gol contra já contabilizado nesta Copa foi o lateral-esquerdo Behich, da Austrália. A sua seleção havia buscado um empate por 1 a 1 com a França, mas ele acabou desviando uma finalização do meia Pogba de fora da área e a bola encobriu o goleiro Ryan antes de entrar na meta, definindo a vitória da equipe europeia por 2 a 1, em Kazan, na estreia do Mundial.

Inicialmente, o juiz daquele partida confirmou a autoria do gol ao astro do Manchester United, mas depois a Fifa anunciou que o autor do mesmo foi mudado. O gol foi creditado a Behich após o próprio Pogba admitir que "foi ajudado pelo defensor" na jogada.

Vale destacar que o total de cinco gols contra ocorreu nos primeiros 17 jogos. Agora com os 23 realizados no Mundial, a média é de um gol deste tipo a cada 4,6 duelos. Também chama a atenção o fato de a Copa da Rússia já ter registrado o mesmo número de gols contra visto no Brasil, em 2014. O recorde pertence à edição de 1998, na França, que teve seis equipes marcando contra a própria meta.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.