Adrees Latif/Reuters
Adrees Latif/Reuters

Após 50ª vitória, Hamilton descarta desistir da luta pelo título

Mesmo com triunfo nos EUA, inglês está a 26 pontos do líder Nico Rosberg

Estadão Conteúdo

26 Outubro 2016 | 09h41

A vitória nos Estados Unidos, a 50ª da sua carreira na Fórmula 1, parece ter tirado um peso das costas de Lewis Hamilton e aumentado a motivação para o difícil desafio de superar a vantagem de 26 pontos de Nico Rosberg na liderança do Mundial de Pilotos para faturar o seu terceiro título consecutivo. A três provas do fim e às vésperas do início das atividades do GP do México, o britânico reiterou o discurso de que não vai "jogar a toalha" e lutará até o fim para voltar a ser campeão, mesmo que a situação do seu companheiro de equipe seja bastante favorável.

"Foi ótimo finalmente conquistar essa 50ª vitória depois de alguns fins de semana difíceis. Continuo mantendo o estado de espírito positivo, evito reviver o passado, trabalho e treino duro porque eu sabia que, eventualmente, o resultado viria. O momento em que você desiste é o momento que você perde. Eu nunca fui de desistir e eu não planejo fazer isso a partir de agora", disse o inglês.

Após ficar mais de 20 anos fora do calendário da Fórmula 1, o México voltou a receber uma prova da categoria em 2015, no Autódromo Hermanos Rodríguez, que também será palco da corrida do próximo fim de semana. Do ano passado, quando Rosberg foi o vencedor e faturou a pole position, as melhores memórias para Hamilton na Cidade do México vieram dos empolgados torcedores locais, que ele se declara ansioso para reencontrar. Além disso, ele fez elogios ao circuito.

"É um grande desafio, por isso, mesmo que a corrida do ano passado tenha sido um pouco frustrante para mim, eu realmente me diverti muito. Estou ansioso para tentar de novo e espero ir um pouco melhor desta vez. Além disso, eles têm uma das melhores torcidas que eu já vi", afirmou.

As atividades do fim de semana do GP do México começam na próxima sexta-feira, com o primeiro treino livre marcado para as 13 horas (de Brasília). A corrida será realizada a partir das 16 horas do domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.