Fabrice Coffrini/AFP
Fabrice Coffrini/AFP

Após acordo, Fifa desiste de punir Gana por interferência do governo

País está liberado para participar de Eliminatórias Africanas após escândalo de corrupção envolvendo ex-presidente

Estadão Conteúdo

29 Agosto 2018 | 13h11

A Fifa anunciou nesta quarta-feira que desistiu da ameaça de suspender a Associação Ganesa de Futebol (GFA, na sigla em inglês) após o governo nacional desistir de dissolver a direção da entidade após a eclosão de um escândalo de corrupção.

Em vez disso, a Fifa explicou que vai trabalhar com o governo e as autoridades do futebol do país para criar una comissão interina que vai supervisionar as eleições na GFA, que vão ocorrer no fim de março. Além disso, os membros da comissão terão de ser aprovados por uma comissão de integridade da Fifa.

O acordo significa que a seleção de Gana poderá participar das Eliminatórias da Copa Africana de Nações de 2019, a começar pelo duelo contra Quênia, que está marcado para 7 de setembro.

O governo do Gana tentou dissolver o corpo diretivo da federação de futebol, depois de uma gravação de um repórter disfarçado o implicou em suborno e corrupção, em revelação realizada através de um documentário.

Membro do Conselho da Fifa e presidente da federação nacional, Kwesi Nyantakyi renunciou e está sendo investigado pelo Comitê de ética da Fifa por supostamente acertar o recebimento de um presente em dinheiro em US$ 65 mil (aproximadamente R$ 268 mil).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.