Jamil Chade/Estadão
Jamil Chade/Estadão

Após agredir torcedor com copo, assessor da CBF deixa a Rússia

Gilberto Batista, que era próximo de Coronel Nunes, atirou copo em torcedor que tentou agredir ambos

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2018 | 06h46

Os incidentes de violência envolvendo membros da CBF em um restaurante de São Petersburgo terminaram com o envio do assessor da entidade, Gilberto Batista, ao Brasil de forma sumária.

+ Após voto em Marrocos para a Copa de 2026, Coronel Nunes vai para a 'geladeira'

+ Presidente da CBF se envolve em confusão e torcedor é levado para o hospital

+ Del Nero felicitou Nunes por voto no Marrocos em escolha na Copa de 2026

Relatos apontam que um torcedor hostilizou o presidente da CBF, coronel Antonio Nunes. O caso ocorrido na noite de quinta-feira deu início a uma confusão, já que o dirigente resolveu retrucar. Um de seus assessores, porém, usou um copo para partir para cima do torcedor, que teve de ser levado a um hospital.

A polícia foi chamada ao local. Mas a delegação brasileira deixou o restaurante antes. A crise levou a CBF a tomar a iniciativa de enviar Batista ao Brasil. Segundo pessoas próximas a ele, o funcionário da CBF já não está na Rússia e embarcou ao Rio de Janeiro. Ele atuava como assessor direto de Nunes, que permaneceu na Copa. Nunes viajou de São Petersburgo e já está em Moscou, onde aguarda pelo próximo jogo da seleção, semana que vem.

Existiria ainda a possibilidade de o Comitê Organizador da Copa tomar uma atitude em relação ao caso. Para isso, o torcedor que foi alvo da violência teria de primeiro prestar queixa na polícia. Se isso ocorrer, o COL passaria a agir.

Na Fifa, a consideração é de que a entidade também poderia agir de forma pró ativa. Oficialmente, a organização ainda não se pronunciou. Mas, na condição de anonimato, membros do Comitê de Ética da Fifa indicaram ao Estado que acreditam que o órgão da entidade teria jurisdição para lidar com o caso.

 

Num dos artigos do Código de Ética da Fifa, estipula-se que todos os membros "demonstrarão compromisso com uma atitude ética". O texto ainda fala que eles "devem se comportar de maneira digna e agir com total credibilidade e integridade".

Um dos debates que poderia existir seria sobre a competência do caso ser, prioritariamente, do próprio Comitê de Ética da CBF. Mas membros do Comitê da Fifa acreditam que existiria uma brecha, no item 5 do artigo 27.

"O Comitê de Ética (da Fifa) também terá o direito de investigar e julgar casos nacionais se associações, confederações ou outras organizações não processarem tais violações ou se não for esperado um juízo adequado dadas as circunstâncias específicas", disse.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.