Divulgação
Divulgação

Após ameaça a Walter, Atlético-PR proíbe organizadas e recoloca assentos na Arena

Punição aos 'Fanáticos' já vale para jogo desta quarta-feira

Estadão Conteúdo

12 de abril de 2016 | 16h53

O Atlético-PR anunciou nesta terça-feira a proibição de entrada na Arena da Baixada de qualquer adereço alusivo às torcidas organizadas do clube. Assim, estendeu à ''Os Fanáticos'' a punição que já havia sido aplicada à Ultras. A decisão vem um dia depois de um vídeo com ameaças ao atacante Walter, feitas por membros da Fanáticos, ser publicado na internet.

De acordo com o Atlético-PR, já na partida desta quarta-feira pela Copa do Brasil, contra o Brasil de Pelotas, estão proibidas bandeiras, peças de vestuários, faixas, baterias e adereços de mão que façam alusão às organizadas.

O clube foi ainda mais longe e anunciou que vai recolocar cadeiras no chamado "setor Fan" da Arena da Baixada. O local, atrás do gol, no qual tradicionalmente ficam as arquibancadas, atualmente está sem assentos para que os organizados vejam a partida em pé. Além disso, o caixote de madeira, onde sobem os líderes da torcida para comandar a festa, também serão retirados.

"Tal medida proibitiva é decorrente dos últimos e lamentáveis episódios protagonizados pelas organizadas, com o bloqueio do ônibus do clube e seu apedrejamento, provocando danos ao patrimônio e ameaça aos atletas e comissão técnica do Atlético-PR quando da ida ao aeroporto de Curitiba para a partida contra o Flamengo, pela Primeira Liga. Como se não bastasse este grave e inaceitável comportamento, a Torcida Os Fanáticos, além de hostilizar o atleta Walter durante a última partida, publicou vídeo em que o ameaça física e moralmente, com ofensas injuriosas e desrespeitosas, que acabam por atentar, novamente, contra o patrimônio e a imagem do Atlético-PR", diz a nota da diretoria.

No domingo, Walter se incomodou com as críticas da torcida e deixou o gramado da Arena da Baixada mostrando o dedo do meio para a arquibancada. A organizada entendeu que a crítica era a ele e o atacante foi ameaçado em vídeo. Depois, ele teria procurado a facção para explicar que recebeu uma cusparada de um torcedor e estava protestando apenas contra ele. A torcida pediu desculpas pelas críticas e elogiou a atitude do atacante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.