Vitor Silva/ SSPress /Botafogo
Vitor Silva/ SSPress /Botafogo

Após ameaças, Jobson tem pedido atendido e é transferido de prisão

Ex-jogador do Botafogo está preso provisoriamente sob acusação de estupro de vulnerável

Gabriel Melloni, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2018 | 18h12

A Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça do Tocantins (Seciju) informou nesta terça-feira que o ex-jogador Jobson foi transferido e, agora, está preso na cidade de Paranã. A mudança foi um pedido de seu advogado, Josenildo Ferreira da Silva, após ameaças ao ex-botafoguense na cadeia em Colmeia.

+ STJ nega pedido do MPF e mantém Carlos Arthur Nuzman em liberdade

Procurada pela reportagem, a Seciju comunicou que Jobson "deixou a Cadeia Pública de Colmeia, região centro-norte do Tocantins, distante 266km da capital Palmas, e agora está custodiado na Cadeia Pública de Paranã, na região sul do Estado, distante cerca de 350km da capital".

A defesa de Jobson havia entrado com o pedido de transferência na semana passada. Josenildo explicou que o ex-atacante vinha sofrendo ameaças de outros presos, que estariam tentando extorqui-lo semanalmente. A requisição foi atendida pelo Poder Judiciário do Estado e a transferência aconteceu pela manhã nesta terça.

Jobson está preso provisoriamente sob acusação de estupro de vulnerável. O processo foi instaurado no Pará em 2016, mas enviado para o Tocantins. Em junho daquele ano, o ex-atacante foi preso sob a acusação de ter entorpecido e mantido relações com garotas menores de idade.

Em setembro de 2016, Jobson foi liberado mediante o pagamento de fiança, mas descumpriu pelo menos duas das medidas impostas pela Justiça na época e retornou à cadeia em junho do ano seguinte. Em agosto de 2017, foi novamente solto, sob monitoramento de uma tornozeleira eletrônica, mas deixou a área estabelecida em diversas oportunidades e, por isso, foi novamente detido já em setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.