Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Após análise financeira, Uefa afirma que clubes 'estão mais saudáveis que nunca'

Avaliação em 718 clubes europeus de primeira divisão refletiu em um lucro de 600 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões) em 2017

EFE

10 Setembro 2018 | 13h58

A análise financeira de 718 clubes europeus de primeira divisão refletiu em um lucro de 600 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões) em 2017, segundo dados divulgados nesta segunda-feira pela Uefa, que destacou que as finanças do futebol continental "estão mais saudáveis que nunca" e atribuiu a evolução ao Fair Play Financeiro.

"Os lucros combinados de 600 milhões euros (R$ 2,6 bilhões) em 2017 são uma melhoria notável em relação às perdas combinadas de 1,7 bilhão (R$8,1 bilhões) em 2011, quando foi introduzida a legislação. Isso demonstra claramente que o Fair Play Financeiro funciona", declarou o presidente da Uefa, o esloveno Aleksander Ceferin.

Os dados publicados foram recompilados pela seção de sustentabilidade financeira e pesquisa da Uefa até dezembro de 2017 e, segundo a entidade, demonstram que pela primeira vez nestes anos o futebol de primeira divisão na Europa foi rentável. Em 2016, houve perdas de 300 milhões de euros (R$ 1,4 bilhão).

"Os balanços dos clubes estão mais sólidos do que nunca, com ativos superiores a 7,7 bilhões de euros (R$ 36,7 bilhões) sobre dívidas e passivos, em comparação com o valor de 1,9 bilhão de euros (R$ 9 bilhões) do início de 2011", disse o presidente da organização.

De acordo com os números, o futebol europeu de clubes nunca obteve tamanha receita em um ano, com um aumento de 1,6 bilhão de euros (R$ 7,6 bilhões) em 2017, que agora são sete vezes mais do que há 20 anos.

"Esta nova estabilidade é resultado do trabalho feito pela Uefa e suas associações integrantes na introdução do sistema de licenças, incluindo os mecanismos de controle de despesas que geraram uma disciplina financeira muito melhor. O Fair Play Financeiro proporcionou a plataforma para que os clubes controlem seus custos e paguem suas dívidas", destacou Ceferin, que acredita haver margem para novas mudanças com a atualização do Regulamento de Licenças de Clubes e Fair Play Financeiro para o período 2018-2021.

"Agora é o momento de dar um próximo passo. E é por isso que decidimos fortalecer as regulações ainda mais, para impulsionar uma maior transparência e harmonização das práticas de contabilidade financeira", finalizou o dirigente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.