Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Após apagão em clássico, Secretaria afasta diretor do Pacaembu

José Eduardo Gomes deixa o cargo depois do estádio mais uma vez sofrer com problemas de iluminação

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

05 Março 2018 | 16h14

Após mais um apagão no Pacaembu, o último no clássico entre Santos e Corinthians, no domingo, a Secretaria Municipal de Esportes e Lazer decidiu afastar o diretor do estádio, José Eduardo Gomes, e cobrará também a Eletropaulo para a instalação de novos circuitos elétricos no estádio municipal. 

+ Santos e Corinthians empatam por 1 a 1; veja os gols

+ Com apagão e gol no fim, Corinthians e Santos empatam no Pacaembu

+ Cássio culpa apagão por empate em clássico, Carille discorda e Prefeitura se defende

Foram cinco apagão em oito jogos realizados no Pacaembu neste ano, sendo que em três deles houve paralisação da partida em decorrência do problema. No clássico deste final de semana, foram quase 50 minutos de paralisação, algo que incomodou os jogadores e ocorreu diante da presença do prefeito de São Paulo, João Doria, que é torcedor do Santos.

Nesta segunda-feira, houve uma reunião para definir o que deveria ser feito para tentar sanar os problemas elétricos do estádio. Chegou-se a conclusão que a falha se deu por causa de um problema na cabine primária, que precisará de reparos. Entretanto, a Eletropaulo nega que tenha algum tipo de problema no fornecimento da energia elétrica ao estádio. "A Eletropaulo informa que não houve problema com o fornecimento na sua rede de distribuição de energia elétrica", diz o comunicado divulgada pela empresa. 

Confira a nota divulgada pela prefeitura.

Após reunião nesta segunda-feira (5) para elaboração de um relatório preliminar sobre os problemas ocorridos no Estádio Paulo Machado de Carvalho neste domingo (4), a Secretaria Municipal de Esportes e Lazer decidiu afastar o diretor do Pacaembu, José Eduardo Gomes. Decidiu também solicitar à Eletropaulo que estude a instalação de um novo circuito elétrico na região do Pacaembu, tendo em vista que o estádio é um consumidor final de linha e recebe carga instável. Essa instabilidade torna necessário que os clubes que mandam jogos no estádio providenciem gerador para a partida.

O relatório preliminar elaborado hoje apontou que houve um problema na cabine primária, que é um equipamento do próprio estádio. Esse problema pode ter ocorrido em razão de oscilação na rede da Eletropaulo, da energia do gerador ou ainda por uma falha do próprio equipamento. Em virtude disso, será feita uma análise completa da cabine primária. Todos os jogos passarão, a partir de agora, a ser acompanhados por um engenheiro e equipe técnica da Eletropaulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.