Vitor Silva/Botafogo
Vitor Silva/Botafogo

Após bate-boca fora de campo, Botafogo visita Portuguesa para avançar na Taça Rio

Eliminado na fase de grupos da Taça Guanabara, equipe alvinegra tenta evitar novo vexame

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

01 de julho de 2020 | 07h50

O Botafogo define nesta quarta-feira, às 21h30, o seu futuro no Campeonato Carioca após um bate-boca fora de campo com o seu adversário. Com a volta de Paulo Autuori ao banco de reservas, o time visita a Portuguesa, no Luso-Brasileiro, pela rodada final da Taça Rio, para garantir a sua ida às semifinais do segundo turno - ou para deixar precocemente a disputa do Estadual.

Eliminado da Taça Guanabara ainda na sua fase de classificação, o Botafogo está na segunda colocação do Grupo A com sete pontos, mesma pontuação do Boavista, que inicia a rodada atrás na classificação pelo número de gols marcados (9 a 5) e enfrenta o Flamengo no mesmo horário. Assim, para se classificar, o time de General Severiano precisa conseguir um resultado melhor do que o do clube de Saquarema, desde que ao menos com um empate.

Motivado pela goleada por 6 a 2 sobre a Cabofriense, o Botafogo pode repetir a formação no confronto no Luso-Brasileiro. Assim, o polivalente meio-campista Cícero deve seguir atuando como um líbero. E o trio ofensivo composto por Luiz Fernando, Luis Henrique e Pedro Raul, responsável por quatro gols no fim de semana, estará mantido. Já o lateral-direito Marcinho segue afastado, se recuperando de lesão.

A novidade do Botafogo, então, vai figurar no banco de reservas: Autuori. O treinador chegou a ser suspenso pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro por críticas aos seus gestores, optou por não comandar o time do banco de reservas no último domingo em protesto, mesmo após o clube conseguir reverter a punição.

Autuori, aliás, voltou a disparar críticas aos organizadores do torneio e aos clubes participantes na última segunda-feira, quando questionou, inclusive, a instalação de refletores no Luso-Brasileiro, o que permitirá a disputa do duelo desta quarta no período noturno, apontando a ação como contraditória, pois a falta de recursos financeiros serviu como argumento para a defesa da volta do Campeonato Carioca pelos times pequenos.

Além disso, voltou a criticar a retomada da competição. "O que mais falei é a importância de salvaguardar a integridade física dos jogadores. Não tem argumento para que o campeonato começasse agora. Se a gente fizer perguntas, as respostas não virão. Não fiquei surpreso", disse.

A situação irritou a Portuguesa, que, em nota oficial, se declarou desrespeitada e elevou os ânimos para um duelo em que chega com chances de classificação às semifinais da Taça Rio - quarto colocada da chave, com quatro pontos, precisa vencer e torcer por uma derrota do Boavista frente ao Flamengo.

Na rodada passada, ficou no empate sem gols com o Boavista, também no seu estádio, e teve Cafu expulso, desfalque certo no seu meio-campo para o confronto com o Botafogo. No ano passado, também pela Taça Rio, o time alvinegro goleou o oponente por 4 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.