Ricardo Saibun/Divulgação
Ricardo Saibun/Divulgação

Após boa atuação de Cicinho, Enderson encaminha 'zaga ideal'

Treinador do Santos acredita que está quase pronta a defesa projetada por ele para o Campeonato Paulista

SANCHES FILHO, O Estado de S. Paulo

24 de fevereiro de 2015 | 19h04

Com o retorno de Cicinho à lateral direita, está quase pronta a defesa projetada por Enderson Moreira para o Santos tocar o Campeonato Paulista. As mudanças começaram pelo gol, com a chegada de Vanderlei para ser o substituto de Aranha. O goleiro seria trocado mesmo se Aranha não saísse. Já estava decidido pelo treinador.

Werley, que foi contratado do Grêmio, ganhou a disputa com Gustavo Henrique e se firmou na zaga ao lado de David Braz, um dos líderes do técnico Enderson Moreira. Está faltando apenas Caju na esquerda. O garoto é a grande aposta santista e só não jogou ainda por ter voltado com uma inflamação no púbis da seleção brasileira sub-20.

"Torcemos para Caju voltar o mais rápido possível para deixar nossa equipe bem mais forte", disse Cicinho que ficou fora das duas primeira rodadas em razão de uma contusão, estreou contra o Red Bull Brasil e foi expulso. O lateral-direito voltou ao time contra a Portuguesa, em grande estilo, inclusive com a marcação de um gol de cabeça, em cruzamento do ídolo Robinho. "Depois do jogo, Robinho me zoou. Disse que eu tenho de cruzar para ele e não ele para mim. Eu agradeci e pedi para ele fazer mais (cruzamentos)".

Com os dois laterais titulares, Enderson pretende fazer com que Cicinho faça uma dobradinha com Geuvânio pela direita e Caju outra dupla com Robinho para a esquerda para que o Santos volte a honrar o rótulo que ostenta de jogar futebol com DNA ofensivo.

A informação do departamento médico é de que Caju já superou as dores provocadas pela inflamação na região do púbis e nos próximos dias será liberado para os treinos com bola, a última etapa antes de reestrear no time, agora com salário e outras vantagens de jogador titular.

Promovido ao profissional no segundo semestre de 2014, Caju ainda ganha R$ 5 mil por mês mas deixou de morar nos alojamentos sob a arquibancada do painel eletrônico da Vila Belmiro, com a meninada da base. O seu futebol despertou interesse até da Udinese, da Itália, mas ele respondeu que ainda é cedo para sair do País.

Pelo novo contrato, com duração até 2020, o lateral esquerdo vai passar de R$ 5 mil para R$ 70 mil por mês, no primeiro ano (serão R$ 130 mil mensais no último) e ainda vai receber uma pequena parte dos os 100% dos direitos econômicos que são do clube, além de luvas e bônus por objetivos atingidos.

No jogo de domingo contra o Linense, o lateral esquerdo ainda deverá ser Victor Ferraz em razão do problema muscular que Chiquinho sofreu na coxa esquerda. Mas diante do Botafogo, em Ribeirão Preto, Caju deve reaparecer na posição. Só depois, Enderson vai fazer possíveis mudanças e ajustes no meio de campo e no ataque, talvez com o retorno do artilheiro do ano passado, Gabriel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.