Joílson Marconne/CBF
Joílson Marconne/CBF

Após carreira nos gramados, ex-jogadoras seguem no futebol em cargos na CBF

Duda Luizelli e Aline Pellegrino, por exemplo, estão na Coordenação das Seleções Femininas e Competições Femininas, respectivamente

Redação, Estadão Conteúdo

13 de abril de 2021 | 10h30

A paixão pelo futebol não perde a intensidade quando é chegada a hora da aposentadoria. A transição de carreira é um caminho natural para ex-jogadoras, que após a vida de atleta se reinventam em diferentes cargos com o objetivo de se manterem próximas aos gramados. Nos últimos anos, a CBF tem dado espaço para que elas assumam diferentes pastas na liderança da modalidade.

Prova disso é a maior presença de ex-jogadoras nos cargos de liderança como Duda Luizelli e Aline Pellegrino na Coordenação das Seleções Femininas e Competições Femininas, respectivamente. Nos gramados, a treinadora Simone Jatobá, a preparadora de goleiras Marlisa Wahlbrink e as auxiliares Jessica de Lima e Beatriz Vaz fazem parte deste processo na área técnica. Soma-se a elas a chegada de Mayara Bordin, hoje administradora das equipes brasileiras.

Ao longo da carreira de meio-campista, a curiosidade de entender o futebol mais profundamente foi o que moveu Beatriz Vaz. Antes mesmo de se aposentar, ela fez o curso de Gestão de Futebol e Licença B para Treinadores, ambos da CBF Academy, e seu interesse chamou a atenção. Em 2017, quando atuava pelo Audax-SP, Bia recebeu o convite para fazer parte da comissão técnica do técnico Osvaldo Alvarez, o Vadão, na seleção principal. Hoje, a auxiliar também faz parte da equipe da sueca Pia Sundhage, ao lado dos auxiliares Lilie Persson e Anders Johansson.

"No futebol, a gente precisa de pessoas que acreditem no nosso potencial e entendam o processo que vamos passar para construir o nosso conhecimento. Há três anos e meio estou podendo ajudar, entendendo, dividindo e compartilhando. Eu me sinto muito sortuda e privilegiada de fazer parte disso tudo e espero sempre fazer parte do futebol e somar, essa é uma palavra que eu gosto muito", declarou Bia Vaz.

Em outubro do ano passado, Mayara Bordin ingressou no grupo de ex-atletas que somam às seleções brasileiras femininas. A ex-volante participou de duas convocações da seleção feminina sub-17 e, neste ano, foi convidada para fazer parte da delegação principal no Torneio She Believes, nos Estados Unidos, em fevereiro, e atualmente está reunida na Granja Comary, em Teresópolis (RJ), junto com a delegação.

A carreira de Mayara foi uma montanha russa de emoções entre conquistas e lesões. Quando pendurou as chuteiras, encontrou na gestão esportiva um caminho de permanecer no ambiente que ama e contribuir para a modalidade.

"Estar nos locais em que eu estive como atleta traz lembranças muito boas, como a Granja por exemplo. São sensações inexplicáveis. Estar vestindo o uniforme da CBF me lembra das sensações que eu tive quando vestia os uniformes de atleta. E agora poder fazer coisas para melhorar as condições das atletas me faz muito feliz", afirmou Mayara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.