Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Após choque de cabeça, Rodrigo Caio tranquiliza a torcida: 'Foi só um cortezinho'

Zagueiro do Flamengo levou cabeçada de Dedé, do Cruzeiro, no rosto e caiu desacordado no gramado

Redação, Estadão Conteúdo

28 de abril de 2019 | 09h58

Depois do choque de cabeça com Dedé que o tirou do final da vitória por 3 a 1 do Flamengo sobre o Cruzeiro na estreia do Campeonato Brasileiro no último sábado, o zagueiro Rodrigo Caio gravou um vídeo no hospital para tranquilizar os familiares, amigos e os torcedores.

"Obrigado pelas orações. Foi só um "cortezinho". Estou bem. Estou consciente e lembrei de tudo. Logo estou de volta", disse o jogador no vídeo publicado em suas redes sociais. O corte a que se referiu foi na boca.

Rodrigo Caio foi a nocaute após chocar seu rosto contra a cabeça de Dedé em disputa de bola no último lance do jogo, aos 50 minutos, e causou preocupação nos torcedores e jogadores, especialmente no próprio Dedé, que tirou a camisa para abanar o zagueiro.

O jogador permaneceu caído no gramado por um tempo e depois de ser atendido pelo departamento médico do Flamengo, foi levado de ambulância para o hospital. Segundo os médicos do clube, o zagueiro deixou o Maracanã consciente.

Não houve fratura nos exames realizados e o jogador não preocupa para os próximos jogos, mas deve permanecer no hospital para fazer mais exames. A expectativa é de que receba alta neste domingo. Após vencer o Cruzeiro, o Flamengo volta a campo na próxima quarta-feira, às 16 horas, em duelo contra o Inter, em Porto Alegre.

PREOCUPADO

Mesmo que Rodrigo Caio não deva ser desfalque para a sequência de partidas, o técnico Abel Braga se mostrou preocupado com a possibilidade de, além do zagueiro, ter outras baixas no elenco depois de optar por escalar os titulares, pressionado em razão da derrota recente para a LDU, do Equador, na Copa Libertadores.

"A gente vai brigar por cada jogo. Foi um pouco imprudente colocar a mesma equipe do jogo passado. Joguei sem um goleiro, não sei se vou ter os centrais para o próximo jogo, é complicado. Ainda bem que vencemos um grande time, é duro de ser batido", afirmou o treinador na coletiva após o jogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.