Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Após cinco formações diferentes, Brasil não deve ter time 'inédito' na final

Tite conseguirá repetir uma das escalações anteriores após promover testes e superar desfalques

Ciro Campos, enviado especial a Teresópolis, O Estado de S. Paulo

05 de julho de 2019 | 11h00

A caminhada da seleção brasileira nesta Copa América mostrou o técnico Tite com uma forma diferente de trabalhar e um pouco diferente da proposta de sempre manter o time. Nas cinco partidas realizadas pela equipe até agora, foram cinco formações diferentes e somente agora, para a decisão do torneio, no próximo domingo, o treinador deve repetir uma das combinações de titulares anteriormente definida.

Ao longo do torneio, principalmente problemas com lesões impediram Tite de conseguir repetir a equipe em cada uma das partidas. Titulares como Arthur e Filipe Luís tiveram contusões, assim como Casemiro teve de cumprir suspensão. No entanto, o treinador também promoveu mudanças por escolhas táticas, como as realizadas na fase de grupos, com as saídas de David Neres e Richarlison para as entradas de Éverton e Gabriel Jesus.

As cinco escalações diferentes em cinco partidas mostram um Tite mais ousado. Após a eliminação na Copa do Mundo da Rússia, o treinador admitiu ter aprendido que em um torneio curto, não se pode demorar para mexer no time. Na Rússia, o Brasil não teve mudanças de um jogo para outro por decisões táticas, mas somente por lesões (como foi o caso de Danilo, substituído por Fágner) ou de suspensões (com Casemiro fora e Fernandinho na vaga).

Para a final contra o Peru, no Maracanã, no domingo, o Brasil só tem uma dúvida no time e se trata do lateral Filipe Luís, em recuperação de lesão na coxa direita. Se ele retornar, a escalação deve ser idêntica à usada na partida contra o próprio Peru, pela fase de grupos. Caso contrário, a equipe vai manter Alex Sandro e terá a mesma formação mandada a campo diante da Argentina, pela semifinal.

Na opinião do atacante Éverton, a quantidade de trocas mostra a capacidade do elenco da seleção brasileira. "Nós sempre procuramos dar nosso melhor, dentro das nossas características. Nós temos mostrado a força da nossa seleção e do nosso grupo. Todos aqui da seleção brasileira têm condição de jogar", comentou o jogador do Grêmio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.