Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Após clima quente, Conselho do Corinthians aprova contas do clube

Com isso, está extinta qualquer possibilidade de impeachment do presidente Roberto de Andrade

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2017 | 07h00

Depois de uma reunião tumultuada, os conselheiros do Corinthians aprovaram na noite de quinta-feira as contas de 2016 e o orçamento de 2017 da gestão do presidente Roberto de Andrade. No total, foram 103 votos a favor e 35 contra para o balanço e 136 x 2 pela previsão orçamentária. 

Com a decisão, encerra qualquer possibilidade de impeachment de Roberto de Andrade. O estatuto do clube previa que poderia ser aberto um novo processo para tirar o dirigente do cargo em caso de reprovação das contas. 

A reunião foi bastante agitada e com discussões entre alguns dirigentes e conselheiros. O diretor de finanças, Emerson Piovezan discutiu com o conselheiro Rubens Gomes, o Rubão, e ambos precisaram ser contidos por Romeu Tuma Júnior. Antônio Roque Citadini também chegou a se exaltar ao fazer questionamentos para a atual diretoria.

De acordo com o balanço demonstrado para os conselheiros, o Corinthians fechou 2016 com uma receita bruta de R$ 458 milhões, sendo R$ 433 milhões líquidos, o maior de sua história. O número se dá graças a R$ 144 milhões obtidos com a venda de jogadores e a renovação de contrato com a TV Globo.

Com o aumento da receita, o clube fechou com um superávit de R$ 31 milhões, marca boa, mas que acaba tendo uma ponta de decepção para alguns dirigentes, que esperavam um lucro maior. A crise econômica que vive o País foi um dos motivos alegados para o valor não ser exatamente o esperado. 

Para 2017, a diretoria projeta uma receita de R$ 264,7 milhões e despesas na casa dos R$ 196,3 milhões, o que dará um superávit de R$ 16,2 milhões. 

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.