Daniel Teixeira/Estadão - 21/6/2013
Daniel Teixeira/Estadão - 21/6/2013

Após cobrar garantias do governo, Fifa agora elogia Dilma Rousseff

Discurso da presidente na TV agrada dirigentes da entidade máxima do futebol

JAMIL CHADE - Enviado especial, Agência Estado

22 de junho de 2013 | 13h46

RIO - A Fifa ficou irritada com a demora da presidente Dilma Rousseff em se pronunciar e tomar medida para garantir a segurança da Copa das Confederações. E agora a entidade só aceitou manter o torneio por enquanto no País depois que recebeu garantias de que até o Exército poderia ser convocado para proteger os estádios da competição.

Depois de dias de um mal-estar entre governo e Fifa, a entidade optou neste sábado por elogiar o pronunciamento de Dilma na televisão, feito da noite da última sexta-feira, em que a presidente indicou que não irá tolerar a violência. A presidente pediu que os brasileiros recebam os estrangeiros "com carinho" e insistiu que não haveria espaço para perder a Copa do Mundo de 2014. "O futebol é símbolo de paz entre povos. O Brasil merece e vai fazer uma grande Copa", completou.

Segundo a Fifa, a entidade "recebe muito bem a declaração da presidente Dilma à nação e garantimos nossa colaboração com o governo para entregar uma exitosa e segura Copa das Confederações e uma Copa do Mundo em que todos os torcedores possam desfrutar".

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, em declarações no Rio, insistia na sexta-feira que a responsabilidade pela segurança era do governo. Às autoridades, o tom foi de alerta: um plano B seria implementado se essas condições não fossem cumpridas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.