Sergio Perez/Reuters
Sergio Perez/Reuters

Após cometer pênalti, Mascherano diz ter tirado peso das costas com a vaga

Volante argentino causou o lance que originou o gol de empate da Nigéria no segundo tempo

Estadão Conteúdo

27 Junho 2018 | 05h18

Um dos principais líderes da seleção argentina, o volante Mascherano quase deixou o duelo contra a Nigéria como o grande responsável pela eliminação de sua equipe na Copa do Mundo da Rússia. No segundo tempo, ele cometeu pênalti que gerou o com de empate do time africano - o resultado mandaria sua equipe para casa.

+ Hotéis em cidades sedes da Copa são alvos de falsos alertas de bomba

+ Esquinas e praças da Rússia recebem músicos em busca de sucesso

+ Ex-jogadores se valem de suas experiências para ajudar seleções na Copa

Mas o lateral-esquerdo Marcos Rojo pegou um cruzamento de primeira, marcou um golaço aos 40 minutos da etapa final e garantiu a Argentina nas oitavas. Ao deixar o campo, Mascherano falou sobre o alivia de seguir na competição.

"Seria uma lástima arruinar o sonho de todos os garotos. O pênalti arruinaria o sonho de 22 garotos que estão aqui lutando. Fico aliviado que saímos com a classificação", afirmou o volante. A Argentina venceu a Nigéria por 2 a 1 em São Petersburgo e agora enfrentará a França nas oitavas.

Mascherano foi um dos jogadores que tomou à frente da equipe após os tropeços nas duas rodadas iniciais - empate com a Islândia por 1 a 0 e derrota para a Croácia por 3 a 0. Segundo a imprensa argentina, os jogadores pediram a saída do técnico Jorge Sampaoli, mas a Associação Argentina de Futebol (AFA) optou por mantê-lo.

 

Sampaoli seguiu no cargo, mas quem escalou a Argentina para o jogo contra a Nigéria foram os jogadores. Titular absoluto dessa equipe, Mascherano, no entanto, fez uma fraca apresentação contra a Nigéria. Errou diversos passes na tentativa de sair jogando e ainda cometeu o pênalti ao agarrar Balogun, em falta confirmada com o auxílio do VAR. No entanto, sobrou garra e vontade. A própria imagem do jogador no segundo tempo revela isso. Ele passou quase que 45 com o rosto sangrando. E quem é que teve coragem de tirá-lo de campo?

"O árbitro entendeu que foi pênalti. Pelo meu critério, ele é um jogador com mais envergadura do que eu. Ele se atirou em cima de mim e eu tentei contê-lo. Um lance como esse acontece em oito a cada dez partidas", afirmou Mascherano.

Por fim, Mascherano fez um balanço sobre a primeira fase argentina e falou sobre a expectativa para a próxima fase. "Começamos com o pé esquerdo. Creio que estávamos no limite. Buscamos o resultado com pouco futebol, mas com muita garra. Agora vamos corrigir as coisas, porque o caminho vai ser duro", finalizou.

Nas oitavas de final, a Argentina vai enfrentar a França às 11 horas (horário de Brasília) deste sábado, em Kazan. A Croácia, outra classificada do Grupo D, terá pela frente a Dinamarca no domingo, às 15 horas, em Nijni Novgorod.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.