J. F. Diorio/Estadão
J. F. Diorio/Estadão

Após críticas ao gramado, construtora diz que Palmeiras participou da vistoria

Técnico Cuca afirmou que gramado estava horrível para partida contra o Grêmio

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2016 | 18h30

Um dia depois de o técnico Cuca ter classificado como “horrível” o gramado do Allianz Parque, a construtora Wtorre, responsável pela manutenção da arena, divulgou uma nota informando que o Palmeiras realizou uma vistória técnica na terça-feira, véspera da partida contra o Grêmio da Copa do Brasil, e que existem condições técnicas para o jogo de acordo com a consultoria que monitora o gramado.

“O Allianz Parque informa que o campo de jogo foi liberado para a partida da última quarta-feira por apresentar as condições técnicas para o jogo, segundo a consultoria que monitora o gramado, bem como a empresa especializada responsável pela manutenção do campo de jogo. Essa condição, inclusive, foi constatada pelo próprio clube em vistoria técnica realizada na manhã da última terça-feira (18).

A construtora também afirma que o nivelamento e a densidade garantiam a qualidade técnica da partida. “Apesar de apresentar diferentes tons de verde, por conta da cobertura realizada para proteger o gramado durante a realização dos eventos, as condições de nivelamento e densidade de piso garantiam, segundo os especialistas, não apenas a qualidade técnica, mas também a segurança dos atletas envolvidos na partida”, diz a nota.

Logo após a partida, Cuca criticou o gramado. “É um absurdo o Palmeiras ter um gramado como esse. Um absurdo. O Palmeiras é um time de primeira linha. (O gramado) está horrível”, disse.

Por outro lado, o treinador negou que o time tenha sido desclassificado por causa das condições do gramado. “Não perdemos (a vaga) por causa do gramado. Não foi isso, mas o pessoal tem de cuidar melhor. Não me perguntem como”, afirmou o treinador.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Allianz ParqueWtorrePalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.