Após críticas, deputados desistem de naturalizar Bielsa

Os três deputados que apresentaram um projeto de lei com a proposta de dar nacionalidade chilena ao argentino Marcelo Bielsa, técnico do Chile, desistiram da iniciativa por causa do grande número de críticas que receberam no país por causa da iniciativa.

AE-AP, Agencia Estado

15 de outubro de 2009 | 12h39

"Nos demos conta de que, dada a polêmica que se gerou, o mais consciente é retirar o projeto e apresentá-lo daqui alguns meses, quando a imagem de Bielsa não ficará prejudicada como acredito que estava ocorrendo agora", afirmou o deputado democrata Cristiano Gabriel Silbert, um dos autores da iniciativa que visava premiar o técnico argentino depois de ele ter ajudado a classificar o Chile para a Copa do Mundo de 2010.

"Queríamos homenagear Bielsa, mas com essas críticas injustificadas não se faz mais do que prejudicar as pessoas", acrescentou Tucapel Jiménez, outro deputado que ajudou a formular o projeto de lei para naturalização de Bielsa.

Os três deputados que apresentaram a proposta receberam ácidas críticas especialmente dos deputados de oposição de direita, que qualificaram a iniciativa como populista. O presidente de Câmara dos Deputados do Chile, Rodrigo Alvarez, da União Democrata Independente, disse que "subir ao carro da vitória da seleção chilena representa um oportunismo inadequado que pode provocar a rejeição da cidadania".

Marcelo Bielsa foi consultado sobre o assunto depois da vitória do Chile sobre o Equador, por 1 a 0, na última quarta-feira, em Santiago, pela rodada final das Eliminatórias da Copa, e afirmou que ficou feliz com a iniciativa, mas admitiu que a medida política poderia ser exagerada. "Sempre fico orgulhoso (pelo carinho dos chilenos), mas também é preciso ver se está certo que um êxito esportivo gere respostas desse tipo. Eu, de nenhuma maneira, creio que me autorizem a alcançar uma coisa tão significativa", disse o treinador.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolMarcelo BielsaChile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.