Eduardo Nicolau/Estadão
Eduardo Nicolau/Estadão

Após críticas, Neymar busca reação em jogo contra a Sérvia

Atacante luta para ser protagonista da seleção pela primeira vez após duas partidas apagadas

Almir Leite e Marcio Dolzan, enviados especiais / Moscou, O Estado de S.Paulo

27 Junho 2018 | 05h00

Neymar terá contra os sérvios mais uma chance de mostrar porque é considerado um dos melhores jogadores do mundo. O atacante vai tentar, nesta quarta-feira, ser protagonista (por um bom motivo) pela primeira vez nesta Copa do Mundo. Até aqui, Philippe Coutinho tem sido o destaque da seleção brasileira, com dois gols marcados, mas Neymar e Tite esperam que, a partir deste jogo, ele consiga deslanchar.

+ Brasil enfrenta a Sérvia para se juntar aos gigantes nas oitavas

+ Seleção brasileira sofre com a falta de gols dos seus centroavantes

O craque do Paris Saint-Germain marcou um gol nos acréscimos na última partida, contra a Costa Rica, desabou a chorar depois do apito final, evitou entrevistas e largou um “até papagaio fala” em uma rede social, numa indireta aos críticos. Depois, apareceu sorridente e brincalhão nos treinamentos em Sochi e na atividade desta terça-feira, no Spartak Stadium, em Moscou, onde o Brasil enfrenta a Sérvia na partida desta quarta.

Em seu projeto particular para ser o melhor do mundo, Neymar ainda não superou seus principais concorrentes nesta Copa do Mundo, mesmo que eles também tenham falhado. Cristiano Ronaldo arrebentou na estreia, quando marcou três vezes contra a Espanha, balançou a rede mais uma vez diante do Marrocos e perdeu um pênalti frente ao Irã, o que custou a Portugal a primeira colocação do seu grupo.

Messi, por sua vez, perdeu uma penalidade no empate da Argentina com a Islândia e sucumbiu com o resto da equipe frente a Croácia. Nesta terça, contra a Nigéria, marcou um gol e foi um dos destaques da classificação argentina.

Até aqui, Neymar teve atuação marcada pelo excesso de individualismo na estreia com a Suíça e pela reversão da marcação de um pênalti com a Costa Rica, quando o árbitro consultou o VAR e considerou que o atacante simulou a falta. O lance rendeu muitas críticas da mídia estrangeira, que considerou que o brasileiro se atira demais.

Uma das críticas partiu do italiano Fabio Capello, ex-técnico do Milan e da seleção da Rússia. Em entrevista a um canal de TV, ele disse que “apesar de ser um grande jogador, uma estrela para mim, Neymar é marrento, um simulador”.

Nesta terça, o técnico Tite respondeu a Capello durante a entrevista coletiva concedida no Spartak Stadium e ficou ao lado do atacante. O treinador brasileiro olhou fixamente para uma câmera de TV e, apontando o dedo, retrucou: “Capello, pra ti, ó. De técnico pra técnico, foi pênalti! Foi pênalti!”.

 

EMOÇÕES

Tite também defendeu o choro de Neymar ao final da partida com os costa-riquenhos, e usou o próprio exemplo para isso. “No primeiro jogo contra o Equador, o Tite chorou. O Tite chorou. Quando liguei para minha esposa, chorei de alegria, de satisfação, porque é nossa característica emocional. Chorei de prazer, de orgulho, de um momento de tanta pressão fazer um grande jogo”, recordou, fazendo menção à sua partida de estreia pela seleção, em 2016. “(É preciso) entender que razão e emoção têm que estar equilibradas, e que há o momento do gelo, da calma, da lucidez, de manter padrão.”

Esta semana, o técnico chegou a testar Neymar como jogador mais agudo do ataque, posição em que ele nunca atuou nesses dois anos. Mas, terça, Tite confirmou que a equipe será a mesma do último jogo, o que significa que Neymar jogará na posição em que está mais habituado: aberto pelo lado esquerdo, com possibilidade de flutuar pelos outros setores do campo ofensivo. Será assim que o principal jogador da seleção brasileira terá a terceira chance nesta Copa de mostrar, com a bola, por que ele é protagonista.

EM 2014, CRAQUE 'DESLANCHOU' NA ESTREIA

Se na Copa da Rússia Neymar ainda não conseguiu deslanchar depois de duas rodadas, no último Mundial, em 2014, a história foi bem diferente e o craque assumiu o protagonismo da seleção logo na estreia. O atacante fez dois gols contra a Croácia, garantiu a vitória por 3 a 1 e, assim, evitou o tropeço do Brasil, que saiu atrás no placar após gol contra de Marcelo. Não à toa, craque foi eleito o melhor jogador do confronto.

Na segunda partida da Copa de 2014, diante do México, Neymar passou em branco, mas não jogou mal. Uma cabeçada sua defendida por Ochoa, inclusive, foi considerada a mais bonita do Mundial.

Assim como agora na Rússia, há quatro anos Neymar também chegou à terceira rodada da fase de grupos com um amarelo. Em 2014, porém, o cartão veio logo na estreia.

Na terceira rodada da Copa de 2014, contra Camarões, Neymar teve outra boa atuação e marcou dois gols no triunfo por 4 a 1.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.