Reuters / Stringer
Reuters / Stringer

Após deixar comando de time chinês, Capello anuncia aposentadoria como treinador

Italiano esperava se aposentar no comando da seleção russa, depois da Copa do Mundo

Estadão Conteúdo

09 de abril de 2018 | 10h18

Menos de uma semana após ter a sua demissão do comando do time chinês Jiangsu Suning confirmada, Fabio Capello anunciou oficialmente a sua aposentadoria da carreira de técnico. O ex-treinador de Milan, Real Madrid, Roma e Juventus afirmou, em entrevista para a rádio estatal RAI, que também não tem interesse em assumir o posto de comandante da seleção italiana, posto que está vago atualmente.

+ Capello pede para seleção italiana começar do zero: 'Qualidade do time não é boa'

+ Japão demite técnico da seleção a 2 meses da Copa

Com 71 anos de idade, Capello alegou "razões pessoais" para deixar de dirigir o Jiangsu Suning e agora garantiu já estar satisfeito com a sua trajetória como técnico, na qual ele teve maior sucesso quando esteve à frente do Milan, conduzindo o time a quatro títulos do Campeonato Italiano e também ao troféu da Liga dos Campeões, em 1994.

Fora isso, ele também já dirigiu duas seleções em sua carreira. "Já tive experiências com as seleções da Inglaterra e da Rússia. Eu queria dirigir um time mais uma vez e o Jiangsu foi o meu último trabalho no futebol. Eu fiz tudo o que eu queria fazer. Estou satisfeito com o que eu fiz e agora vou gostar de ser um analista. Você sempre ganha neste papel", afirmou Capello.

Em 2014, quando estava à frente da seleção da Rússia, o italiano já havia adiantado que pretendia se aposentar após a Copa de 2018, na qual esperava estar como treinador da equipe dos anfitriões da competição. Porém, após ter assumido o cargo em 2012 e levado os russos ao Mundial de 2014, ele acabou sendo demitido em 2015.

Ele assumiu o seu último trabalho como técnico em junho de 2017, quando foi contratado pelo Jiangsu Suning e ajudou o vice-campeão nacional de 2016 a se livrar do rebaixamento no Campeonato Chinês. A demissão, na semana passada, foi confirmada após apenas três jogos nesta temporada de 2018, na qual o time acumulou uma vitória e duas derrotas.

Antes de chegar à China, Capello estava desempregado desde 2015, quando foi demitido justamente pela seleção russa durante o início do ciclo em que ele visava principalmente o Mundial de 2018, que será realizado entre 14 de junho e 15 de julho.

E, antes de assumir o comando da Rússia, Capello esteve à frente da seleção inglesa entre 2007 e 2012. Ele ajudou a equipe a ir até as oitavas de final da Copa do Mundo da África do Sul, em 2010, quando foi eliminada pela Alemanha com uma derrota por 4 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.