Ivan Storti/Divulgação
Ivan Storti/Divulgação

Após deixar o Santos, Levir Culpi anuncia volta ao futebol japonês

Treinador fecha contrato de duas temporadas com o Gamba Osaka, time que fechou o campeonato local em décimo lugar

Estadão Conteúdo

04 de dezembro de 2017 | 19h34

O técnico Levir Culpi já tem casa nova para a próxima temporada. Depois de uma passagem com altos e baixos pelo Santos, o treinador voltará a trabalhar no futebol japonês. Ele anunciou que assinou contrato por dois anos com o Gamba Osaka, décimo colocado na edição de 2017 do Campeonato Nacional.

+ Elano faz balanço positivo da temporada do Santos

+ Valentim adia definição sobre continuidade no Palmeiras

"Amigos do mundo da bola, assinei um contrato de dois anos com um dos maiores clubes do Japão, o Gamba Osaka. Não posso deixar de agradecer e mandar um abraço aos amigos que revi e ganhei no Atlético-MG, Fluminense e Santos nessa nova passagem pelo futebol brasileiro", escreveu em sua página no Twitter.

Levir já teve outras passagens pelo futebol japonês, onde, curiosamente, comandou nas o rival do Gamba, o Cerezo Osaka, em três oportunidades. A primeira aconteceu em 1997. Já a segunda, foi de 2007 a 2011, enquanto a terceira ocorreu entre 2012 e 2013. De lá, o treinador foi para o Atlético-MG, onde conquistou a Recopa Sul-Americana e a Copa do Brasil de 2014 e o Campeonato Mineiro de 2015.

Depois de deixar o Atlético-MG, Levir assumiu em 2016 o Fluminense, onde, apesar da passagem discreta, conquistou o título da Copa da Primeira Liga. Foi contratado pelo Santos este ano, mas não alcançou grandes resultados, teve desentendimentos com os jogadores e acabou dispensado em outubro.

No Gamba Osaka, Levir assumirá um time em baixa, que não vence uma partida oficial desde o início de setembro. Já são 13 jogos sem resultado positivo. No elenco de 2017, o clube teve dois brasileiros: o defensor Fábio Aguiar, com carreira construída no futebol japonês, e o atacante Ademilson, ex-São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.