Após derrota, Caio Jr. diz que não há nada para corrigir

Treinador elogia estreante Rodrigão, que perdeu gol feito debaixo da trave

Julio César Lima, especial para o Estadão,

22 de julho de 2007 | 20h48

O técnico Caio Júnior considerou injusta a derrota do Palmeiras para o Paraná. Segundo ele, seu time criou várias chances de gols, inclusive depois da expulsão de Dininho, na segunda etapa. "Mesmo com dez, diante do Paraná, jogamos bem. O empate seria um bom resultado diante das circunstâncias. No segundo tempo, o Rodrigo teve duas chances claras, o Paraná teve a chance de marcar aquele gol de falta e administrou o jogo, nós não fomos felizes nas conclusões", disse o treinador.A verdade, no entanto, é que o ataque vinha funcionando muito bem nos últimos jogos e não passava em branco desde a derrota para o Atlético Paranaense, no dia 24 de junho. Neste domingo, entretanto, o setor ofensivo falhou. O treinador apostou na estréia de Rodrigão, que vinha treinando bem. E, num esquema de rodízio de atacantes, não levou Luís para Curitiba. Coincidentemente, o Palmeiras havia marcado gol nos cinco jogos em que o garoto esteve como titular - as cinco partidas de invencibilidade.Na opinião do atacante Luiz Henrique, a equipe pecou nas finalizações e isso dificultou um resultado melhor. "Tivemos as chances, mas não conseguimos concluir essas oportunidades. Precisamos agora ter mais tranqüilidade, avaliar alguns erros e trabalhar bastante para tentar a reação no jogo de quarta-feira", avaliou - a equipe recebe o Vasco, no Palestra Itália. E não deve haver muitas mudanças. "Não há nada para corrigir", disse Caio Júnior.O goleiro Diego Cavallieri também acredita que o time se comportou bem em campo, mesmo com um atleta a menos. "O Palmeiras criou bastante, mas não conseguimos concluir para o gol. Mesmo com dez, nossa equipe conseguiu se impor, mas não transformamos as oportunidades em gol".O volante Pierre disse que a terceira partida sem vitória da equipe não deve atrapalhar a campanha. Em sua opinião, o time tem condições de reagir, como já fez anteriormente. "Nós chegamos a ficar cinco jogos sem ganhar e depois reagimos. Enfrentamos o Paraná aqui, não é fácil, e o time esteve bem, mesmo com um jogador a menos", avaliou.IrritadoEdmundo, mais ume vez, entrou na segunda etapa de jogo. E, como sempre, não deixou de reclamar de um companheiro. Já no fim do jogo, o atacante de 36 anos se irritou ao não receber um passe de Max. Na continuação do lance, Luiz Henrique quase conseguiu o empate. "Eu não escutei [a reclamação de Edmundo], então não posso falar nada disso", contentou-se a dizer Luiz Henrique, evitando assim qualquer problema com o camisa 7.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.