Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Filip Singer/EFE
Filip Singer/EFE

Após derrota da Alemanha, Löw admite: 'O Brasil está mais perigoso'

"Com contra-ataques, Gabriel Jesus e Douglas Costa, além do Coutinho sempre, com direção ao gol"

Jamil Chade, Estadão Conteúdo

27 de março de 2018 | 18h54

O treinador da Alemanha, Joachim Löw, admitiu que sua seleção não jogou bem contra o Brasil, mas alertou que se tratava de uma equipe jovem. Depois de ser derrotado por 1 a 0 em Berlim, no amistoso disputado nesta terça-feira, o técnico constatou que o time de Tite está mais perigoso e mostrou que é um dos favoritos para vencer a Copa do Mundo.

+ Artilheiro com Tite, Gabriel Jesus admite atuação irregular e festeja gol 

"O Brasil ofensivamente ficou mais perigoso, com contra-ataques, Gabriel Jesus e Douglas Costa, além do Coutinho sempre, com direção ao gol", disse em entrevista coletiva após a partida. Para Löw, a seleção também mostrou melhorias na zaga. "O Brasil ficou melhor na parte defensiva e mais estável, não só nesse jogo."

"Todos sabemos que o que ocorreu em 2014 foi diferente. Depois dos 2 a 0, eles ficaram chocados. Agora, vemos que estão mais fortes, e defendendo coletivamente", considerou. "Tite colocou todos para defender e estão mais disciplinados. Não há dúvidas de que são mais perigosos e um dos favoritos para o titulo."

Sobre sua equipe, Löw não escondeu a decepção com a atuação desta terça-feira, apesar dos desfalques. Afinal, a Alemanha não teve nomes importantes, como Thomas Müller e Özil, liberados por acordos da federação nacional com seus respectivos clubes. Por isso, apostou em novidades, como Plattenhardt e Sané entre os titulares.

"Hoje não foi o nosso dia", avaliou. "Não conseguimos entrar no jogo como queríamos. Sabia que não ia ser fácil e fizemos mudanças. Por isso, o jogo não foi o que deveria ser. Mas são jogadores jovens e era importante que jogassem", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.